Política a Sério

O Governo do ‘parece que’...

Ao longo da legislatura foram mudando algumas caras mas a receita foi sempre a mesma: mostrar que o país está melhor do que está

A  política faz-se muito de ilusionismo. Os políticos tentam imitar os mágicos: como eles, procuram fazer ‘parecer’ o que de facto não existe.

Já dizia um conhecido primeiro-ministro: em política, o que parece é.

E a este respeito, é forçoso reconhecer que o PS tem um especial talento para fazer magia.

Para criar uma realidade virtual.

Sócrates conseguia que os portugueses pensassem que vivíamos no melhor dos mundos quando já se anunciava a bancarrota.

E António Costa tem a mesma escola.

Começou por surpreender toda a gente ao formar a ‘geringonça’, conseguindo o feito inédito de conquistar o poder sem ter ganho as eleições. 

E depois voltou a surpreender tudo e todos ao conseguir chegar ao fim da legislatura.

Se ninguém acreditava que o primeiro objetivo fosse possível, alcançar o segundo foi um feito extraordinário.

E não deve ter sido nada fácil.

As negociações com a esquerda ao longo destes três anos e meio devem ter sido duríssimas em certos períodos.

Também é verdade que ninguém estava interessado em romper o acordo: o PS, porque perdia o poder; o BE, porque queria ganhar o estatuto de ‘partido responsável’; e o PCP, porque não queria ficar como o mau da fita. 

Dirão alguns que a estabilidade não serviu para nada, porque a governação foi má.

Eu próprio critiquei as limitações da ‘geringonça’, amarrada a permanentes compromissos.

Mas a estabilidade em si é uma virtude.

Sendo um meio, também é um fim.

Num ambiente estável, é mais fácil fazerem-se investimentos, prosperarem os negócios, funcionarem as empresas, afluírem os turistas. 

A instabilidade, pelo contrário, compromete tudo.

Feito este introito, é inegável que o Governo de Costa construiu a ilusão de que as coisas correm muito melhor do que correm de facto.

Por isso, é o Governo do ‘parece que…’

Parece que os funcionários públicos foram aumentados, mas de facto perderam rendimentos - pois o que o Governo deu com uma mão em salário tirou com a outra em impostos indiretos e taxas. 

Parece que as famílias têm mais dinheiro para gastar, e de facto consomem mais - mas muito à custa do crédito, que tem vindo a crescer, e da diminuição da poupança, que atingiu níveis mínimos. 

Parece que houve mais paz social - mas as greves sucederam-se: dos transportes públicos, dos taxistas, dos camionistas, dos maquinistas da CP, dos enfermeiros, dos médicos, dos professores, dos juízes, dos operários da Autoeuropa, etc., etc. 

Parece que se reduziu a despesa pública - mas de facto aumentou-se, sobretudo a despesa fixa, que é a mais difícil de reverter.

Parece que a dívida do Estado diminuiu - mas o seu valor aumentou, chegando a atingir um máximo histórico, tendo reduzido ultimamente à custa da diminuição das reservas.

Parece que a relação com o exterior melhorou, tendo crescido as exportações - mas de facto piorou, com o enorme aumento das importações, fazendo a balança comercial voltar ao negativo. E esta é uma questão crítica, pois a nossa dívida externa (que inclui o Estado e os privados) é das maiores do mundo.

Parece que a economia teve um ótimo desempenho - mas o crescimento português é o mais anémico dos países com quem nos podemos comparar. E tem vindo a definhar desde há três anos, prevendo-se para este ano 1.7%, apenas 0,2% acima do valor atingido por Passos Coelho. 

Parece que o desemprego tem evoluído de forma excelente, caindo para valores muito aceitáveis - mas essa inversão já vinha do Governo anterior e deve-se em boa parte à legislação laboral então aprovada (e que o BE quer reverter). 

Parece que há mais médicos nos hospitais, e de facto assim é - mas permanecem lá menos tempo, pela reversão da lei das 40 horas.

Parece que se melhorou o ataque aos fogos - mas no primeiro teste a sério o concelho de Mação ardeu quase todo.

Parece que se recuperou a ferrovia - mas as novas carruagens só chegarão em 2023.

Parece que a decisão do novo aeroporto no Montijo já foi tomada - mas de facto o Governo ainda anda às voltas com o impacto ambiental.

Parece que a TAP foi renacionalizada - mas a gestão é estrangeira e o Governo não intervém nas decisões, como se viu com os prémios absurdos dados aos gestores em ano de prejuízos.

Para completar o engano, o Governo vai fazendo pisca-pisca para a esquerda - mas vira muitas vezes à direita.

Tudo somado, quais foram as grandes realizações deste Governo?

Manteve a estabilidade, e isso foi importante, como se disse.

De resto, as limitações da fórmula política não lhe permitiram fazer quase nada.

A necessidade de não desagradar à extrema-esquerda paralisou-o.

Para o país melhorar, a receita não era pôr mais dinheiro nos bolsos das pessoas, pois isso faz aumentar o consumo e as importações; a receita era facilitar a vida às empresas, para atrair mais investimento e aumentar a produção.

A receita não era gastar - era poupar, investir e produzir.

Mas isso é o que a extrema-esquerda não permite: o seu objetivo é satisfazer as massas e perseguir os patrões. 

Por isso, se esta fórmula de Governo se mantiver na próxima legislatura, os resultados serão piores do que nesta - e Portugal entrará numa perigosa rampa descendente.