Opiniao

Recordações dos tempos de férias

Francisco era um jovem pouco mais novo do que eu, que habitava no andar por baixo de mim, num prédio no centro de Armação de Pêra...

Estamos em tempo de férias, em pleno Verão. As praias estão cheias, como já é costume nesta época. Entre nós, o Algarve ainda continua a ser a referência daqueles que procuram o mar, apesar de Portugal dispor de outros destinos lindíssimos, desconhecidos para muitos. Para não falar dos que só encontram no estrangeiro a resposta e a solução para tudo.

Como médico, entendo que a mudança de ambiente é fundamental em tempo de descanso. Recomendo aos doentes não só a praia, mas também o campo, as termas, os passeios a pé e as mudanças no estilo de vida a que estamos habituados. Cada um saberá escolher dentro das suas possibilidades a solução mais adequada, mas o corte com a rotina normal do dia-a-dia é mesmo obrigatório.

Há algumas semanas, à beira-mar, na Praia da Rocha, onde habitualmente passo férias, pai e filho conversavam acerca das recordações que aquele lugar lhes trazia. 

O pai lembrava ao filho ter sido ali que conhecera a mãe - e o filho identificava-o como o principal ponto de encontro com os amigos. Mesmo não sendo comigo a conversa, bastou-me um pequeno exercício de memória para recordar lembranças de outros tempos que me marcaram e que me irão acompanhar pela vida fora: o aprender a nadar, o último encontro com Mário Soares, o barulho do mar a bater nas rochas com o telefonema de uma doente em pano de fundo, episódios já por mim relatados neste espaço de opinião.

Contudo, saindo desta terra e recordando uma outra praia não muito distante, onde também passei férias na infância e adolescência, em casa dos meus pais, não posso deixar de referir uma história curiosa - a do Francisco.

Francisco era um jovem pouco mais novo do que eu, que habitava no andar por baixo de mim, num prédio no centro de Armação de Pêra. Brilhante aluno do liceu, era o segundo de cinco irmãos, de uma família que encontrávamos todos os anos nas férias de Verão. Seu pai, distinto oficial da Marinha, e a sua mãe, conceituada advogada, tratavam-me como se fosse da família, tal era a proximidade entre nós.

Quantos campeonatos de futebol organizámos no pátio entre os irmãos, com o Francisco aguerrido, lutador, sem nunca dar um lance por perdido! Era um adversário temível mas correto, sempre com os olhos postos na vitória. Lia muito e tinha preocupações sociais: nada o deixava indiferente. No mar, um nadador, mas aí era eu que lhe ganhava.

Em dada altura, durante as férias, o Chico adoeceu, suspeitando-se de um problema cirúrgico. Foi solicitado o parecer ao meu pai, cirurgião, que admitiu a hipótese de avançar para a intervenção mesmo no Algarve, se fosse necessário - o que felizmente não aconteceu e, ao fim de alguns dias de recuperação, quando regressou à praia, era o Chico que todos conhecíamos. Foi uma festa o seu regresso.

A vida profissional afastou-nos. Cada um seguiu o seu caminho, defendendo os valores em que acreditava. Muitos anos mais tarde, o destino fez com que nos voltássemos a encontrar, no âmbito de uma visita no setor da saúde. Em planos distintos, ele economista, eu médico, com maneiras diferentes de ver a vida, mas onde a amizade prevaleceu neste ‘reencontro de irmãos’.

Nos dias de hoje, ele continua a ser aguerrido, lutador, com os olhos postos na vitória e com as mesmas preocupações sociais.

O curioso desta história, construída há tantos anos, em tempo de férias, é que, nessa altura, ninguém sabia quem era o Francisco. Hoje, passados mais de 50 anos, toda a gente o conhece. E até os que pensam de outro modo têm admiração e respeito pelo Francisco Louçã.