Falar Baixinho

Quando os bebés não dormem à noite

Mas uma coisa é certa, pais que vivem noites endiabradas e ao acordar sorriem aos seus bebés embevecidamente e sem rancor são super-heróis. Mães que passam noites seguidas em claro e dias sem descanso sempre com um colo carinhoso e ternurento e uma resistência fora de série são super-heroínas

Há por aí muitos bebés que não dormem à noite. Durante o dia são uns amores, uns anjos, uns bem dispostos e quando o sol se põe parecem enviados do diabo para acabar com o que resta dos pais. Alguns não conseguem adormecer, outros acordam a meio da noite, outros passam a noite acordados. Às vezes durante horas a fio, os pais, já extenuados, debatem-se com o bebé de forma inglória. Às escuras, as certezas vão surgindo: ‘claramente tem fome’; ‘comeu demasiado, ele quer é arrotar’; ‘está demasiado cansado’; ‘não tem sono nenhum’; ‘não vês que está gelado?’; ‘está cheio de calor’; ‘ele tem é gases’; ‘são os dentes!’; ‘passa-mo cá que eu resolvo já isto!’. E vão sendo tomadas medidas em consonância. Começam pelo clássico shhhh, oferecem a chucha, dão mais leite, pegam ao colo, passeiam pelo quarto, fazem massagens, embalam, cantam, acendem a luz, apagam a luz, põem a arrotar, vestem mais roupa, despem a roupa, trocam a fralda e por vezes em desespero há quem os leve a dar uma volta de carro ou desista e os leve para a sala para brincar. Se o bebé cede ao sono, deitam-no como uma pluma, sustêm a respiração e sem fazerem um único ruído voltam para a cama e com medo que alguma mola do colchão possa chiar deslizam silenciosamente entre os lençóis. Dentro de segundos estão a dormir profundamente e ficariam assim durante horas se lhes permitissem. Já o mr. Hyde – como um amigo se refere ao filho bebé – espera maquiavelicamente pela oportunidade certa para recomeçar a festa. De preferência quando os pais ingenuamente começam a mergulhar num sono merecido.

Sentem-se enganados. Quando planeavam ter um bebé, todos os anúncios dos mais variados produtos exibiam-nos a dormir profundamente. Parecia que bastava colocar-lhes uma fralda, pousá-los numa superfície fofa e plana que fechavam os olhos e adormeciam docemente. O problema parecia ser mantê-los acordados. Mas afinal a realidade é bastante diferente. E não há talão de troca, não aceitam devoluções, nem sequer garantia em caso de avaria do sono. São os pais os únicos responsáveis desde o nascimento e mesmo quando amigos e familiares se oferecem para ajudar, de madrugada nunca lá estão.

O sono está na base das nossas necessidades básicas e a sua privação pode ter consequências a diferentes níveis. Já os bebés parecem viver bastante bem com isso, até porque dispõem do dia todo para ir cochilando.

Pode haver várias causas para que o sono do bebé não seja longo e tranquilo, ou uma elaborada compilação escolhida a dedinho para cada casa. Muitas vezes o bebé cresce e todos se esquecem daquelas tortuosas noites sem alguma vez chegarem a perceber o que se passou. Outras, os pais fazem questão de lhes lembrar pela vida fora como foram um terror em bebés e regozijam-se quando os netos os vingam. Outras ainda os pais nem se atrevem a ter outro filho só de pensarem na eventualidade de repetir aquele cenário.

Mas uma coisa é certa, pais que vivem noites endiabradas e ao acordar sorriem aos seus bebés embevecidamente e sem rancor são super-heróis. Mães que passam noites seguidas em claro e dias sem descanso sempre com um colo carinhoso e ternurento e uma resistência fora de série são super-heroínas. Os bebés serão sempre por definição os seres mais amorosos do mundo. E por mais difícil que na altura possa parecer, esta rábula será guardado com carinho e lembrada com saudade quando as loucas noitadas do bebé já forem outras.