Internacional

Petição contra suspensão do Parlamento britânico atinge mais de 600 mil assinaturas

Depois de Johnson ter pedido à Rainha Isabel II para autorizar a suspensão do Parlamento, o número de signatários aumentou exponencialmente - atingindo cerca de mil novos por minuto, de acordo com dados adiantados pela imprensa britânica.

"O parlamento não pode ser suspenso ou dissolvido a menos que o artigo 50.º tenha sido suficientemente prolongado ou a intenção do Reino Unido de sair da União Europeia tiver sido cancelada" é possível ler na petição 'Do not prorogue Parliament', disponível na plataforma online do governo britânico. Sublinhe-se que, com 10 mil assinaturas, o Governo responde aos signatários e, ao atingir 100 mil assinaturas, o documento oficial é considerado para debate no Parlamento. É de realçar igualmente que o artigo 50.º do Tratado da UE, que rege a saída de um Estado-membro, determina que a saída seja concretizada dois anos após o pedido formal de saída, "data que pode ser adiada a pedido do Estado em causa e com a concordância de todos os outros países membros", como a agência Lusa explicou em informação veiculada na tarde desta quarta-feira.

Sabe-se que a data estipulada para o Brexit é o próximo dia 31 de outubro e que Boris Johnson prometeu que o Reino Unido sairá da União Europeia, nesse dia, com ou sem acordo. Naquilo que diz respeito à petição anteriormente referida, foi criada por um cidadão que se identifica como Mark Johnston e, pelas 18h20, contava com 610 mil assinaturas. Pelas 12h, tinha somente 12 mil assinaturas, porém, depois de Johnson ter pedido à Rainha Isabel II para autorizar a suspensão do Parlamento, o número de signatários aumentou exponencialmente - atingindo cerca de mil novos por minuto, de acordo com dados adiantados pela imprensa britânica.

"A aprovação era esperada pela maioria dos analistas, dado o papel neutral que a monarca sempre tem tido, baseando os seus pronunciamentos no critério do primeiro-ministro em funções. A suspensão do parlamento foi fortemente criticada pela oposição, que vê nela uma tentativa de limitar significativamente o tempo para os deputados apresentarem medidas para impedir uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo" é possível ler igualmente no texto da Lusa. Recorde-se que manifestações contra a suspensão do Parlamento estão marcadas, para esta quarta-feira, em cidades como Londres, Birmingham, Liverpool, Manchester, Cambridge, Edimburgo, Cardiff ou Bristol.