Internacional

Bolsonaro fala em "esmola" e acusa os países de estarem a tentar "comprar o Brasil às prestações"

Além de acusar as organizações de não aplicarem as doações na replantação da Amazónia, o Presidente brasileiro voltou a sublinhar que acredita que as organizações estão envolvidas nos incêndios atuais. Bolsonaro diz que depois de ter decidido fazer cortes orçamentais, as ONG's decidiram vingar-se dele e incendiar a floresta tropical. 

Jair Bolsonaro falou mais uma vez dos 20 milhões de dólares, cerca de 18 milhões de euros, que o G7 quer dar ao Brasil para ajudar a combater os incêndios na Amazónia e disse considerar a quantia "uma esmola" oferecida pelos países mais industrializados do mundo. 

Numa transmissão em direto no Facebook, esta quinta-feira, Bolsonaro acusou os países pertencentes ao G7 de estarem a tentar "comprar o Brasil às prestações” e que o país vale muito mais do que 20 milhões de dólares. 

O Presidente brasileiro menciona várias ofertas dadas às organizações não-governamentais brasileiras, por parte de outros países, e sulinha que estas não tiveram nenhum impacto na replantação da Amazónia, visto as ONG's terem decidido ficar com o dinheiro.

"Deram mais de mil milhões de dólares (mais de 900 milhões de euros) ao todo, nos últimos 10 ou 12 anos. Agora, digam-me o que é que foi feito com esse dinheiro? Apontem um hectare que tenha sido replantado. Uma ação positiva. Não há nada" declara Bolsonaro. 

Além de acusar as organizações de não aplicarem as doações na replantação da Amazónia, o Presidente brasileiro voltou a sublinhar que acredita que as organizações estão envolvidas nos incêndios atuais. Bolsonaro diz que depois de ter decidido fazer cortes orçamentais, as ONG's decidiram vingar-se dele e incendiar a floresta tropical. 

Apesar de todas as afirmações polémicas, Jair Bolsonaro não mencionou se iria aceitar a doação do G7 ou não.