Economia

Novo Banco. Mais 310 rescisões

Trabalhadores surpreendidos com número e dizem só faltam sair 84.  

Os trabalhadores do Novo Banco mostraram-se surpreendidos com o facto de o Governo ter autorizado o banco a rescindir com mais 310 funcionários até final de 2021. A Comissão de Trabalhadores lembra que “é do domínio público que o plano negociado entre o Estado e a DGCOMP, aponta para que o grupo Novo Banco (GNB) até 2021 tenha que reduzir os seus balcões em 75, objetivo já cumprido e, no mesmo período, tenha de reduzir o número de trabalhadores para 4909”. De acordo com as contas da CT, o GNB encerrou o primeiro semestre do corrente ano com 4993 e, como tal, só faltam reduzir 84 trabalhadores para atingir esse objetivo. “Impõem-se então duas questões: Porquê  autorização para reduzir 310? Porquê ir para além dos objetivos impostos?», questionou a estrutura, em comunicado. 

A comissão de trabalhadores do Novo Banco lembra ainda que “tem sido um parceiro responsável no Novo Banco” e garante que se mantém “disponível para dialogar e negociar condições condignas, privilegiando em primeiro lugar o processo de reformas antecipadas”. Ainda assim, assegura que ficará bastante atenta ao evoluir da situação laboral no banco, especialmente no que toca à nova autorização para cortar mais 310 postos de trabalho.

“Deixamos a nossa garantia de que iremos pugnar para que o processo decorra com transparência, sem pressões sobre os trabalhadores e que seja um processo de adesão voluntária”, indica a comissão de trabalhadores do Novo Banco.

Recorde-se que, o Novo Banco fechou o primeiro semestre com prejuízos de 400 milhões de euros, e prevê pedir ao Fundo de Resolução 540 milhões de euros no âmbito do mecanismo de capital contingente criado aquando da venda da instituição ao fundo norte-americano Lone Star.