Internacional

Deputados ucranianos revogam a sua própria imunidade

Teme-se que a revogação da imunidade possa deixar a oposição vulnerável a perseguições judiciais por motivos políticos.

 

Os deputados ucranianos votaram esta terça-feria contra a sua própria imunidade parlamentar, cumprindo a promessa anticorrupção que o Presidente, Volodymyr Zelenskiy, um antigo comediante, fez durante as eleições. 

 A medida foi aprovada pela vasta maioria do Parlamento – o Rada Suprema –, com 373 votos a favor: num hemiciclo com 450 deputados. “Prometemos remover a imunidade e prometemos que não haveria pessoas com estatuto especial na Ucrânia”, sublinhou Alexander Dubinsky, deputado do partido Servo do Povo, organização fundada por Zelenskiy, no debate parlamentar, citado pela Reuters.

Sviatoslav Vakarchuk, líder do partido da oposição pró europeu, Voz, também votou favoravelmente pela remoção da imunidade parlamentar: acredita que todos devem ser iguais perante a lei, avisando, no entanto, para aqueles que estão no poder não sucumbirem na tentação de abusar sobre a mesma. Ou seja, alguns parlamentares da oposição temem que a revogação da imunidade possa deixá-los vulneráveis a perseguições judiciais por motivos políticos.

A lei entrará em vigor no próximo ano. Em abril passado, Zelenskiy, 41, ganhou a corrida presidencial por uns expressivos 73% dos votos, destronando o seu antecessor, Petro Poroshenko – que teve pouco mais de um quinto dos votos.  De seguida, dissolveu o Rada Suprema e convocou eleições antecipadas, cuja ida às urnas estava marcada para outubro. Resultado: o seu partido obteve a primeira maioria absoluta desde a independência da Ucrânia, em 1991, com uns largos 43% dos votos, contra os 13% do maior partido da oposição.