Economia

Algarve. Taxa de ocupação cai em agosto para 93,6%

O mercado irlandês foi o que apresentou a maior subida, com um aumento de 26,2%, seguido do britânico (mais 2,9%). Já o mercado alemão (-19,1%) e o holandês (-5,4%) foram os que apresentaram as maiores descidas.

A taxa de ocupação global média por quarto fixou-se em 93,6%, ou seja, ligeiramente abaixo da verificada em 2018 (menos 0,4%), revela a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). Aliás, este número já tinha sido avançado pelo presidente da associação ao i ao admitir que a taxa de ocupação iria ficar entre os 93% e os 95%. 

Em contrapartida, o volume de vendas apresentou um acréscimo de 2,1% face a igual período do ano passado, registando um aumento acumulado de 2,7% desde o início do ano. Uma tendência que também já tinha sido reconhecida por Elidérico Viegas. “Temos a sensação que existem menos turistas na região, mas do ponto de vista financeiro isso será compensado pelo aumento de valores que as unidades hoteleiras estão a cobrar”, afirmou ao i.

O mercado irlandês foi o que apresentou a maior subida, com um aumento de 26,2%, seguido do britânico (mais 2,9%). Já o mercado alemão (-19,1%) e o holandês (-5,4%) foram os que apresentaram as maiores descidas.

A zona geográfica de Lagos / Sagres foi a que registou a maior descida (-8,1%), “uma vez que se encontra mais exposta ao mercado alemão”.

Já as restantes zonas geográficas e as diferentes categorias de empreendimentos turísticos registaram oscilações “sem expressão significativa”.