Economia

Cofina. Luz verde para TVI

Antes de oficializar as negociações com a Media Capital, o n.º 1 do grupo do CM falou informalmente com António Costa, com a Autoridade da Concorrência e a Entidade Reguladora para Comunicação Social. Na calha está a saída de pesos pesados da estação de Queluz.

O CEO da Cofina, Paulo Fernandes antes de oficializar o interesse em comprar a Media Capital esteve reunido informalmente com o primeiro-ministro, com a Autoridade da Concorrência (AdC) e com Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), apurou o SOL. Afastado destes encontros esteve Marcelo Rebelo de Sousa, mas o Presidente foi informado do negócio por António Costa. O SOL sabe que a ideia do empresário foi garantir que nenhuma das entidades se oporia à operação, pois só assim avançaria para negociações com a Prisa.

Contactada pelo SOL, a AdC diz que as «avaliações prévias são um procedimento que a AdC coloca à disposição das empresas, porém são confidenciais». Já a ERC até ao fecho da edição não prestou qualquer tipo de comentário.

O SOL sabe que a operação de compra da TVI passa por um prévio aumento de capital do grupo detentor do Correio da Manhã e da CMTV, que será acompanhado pelos atuais acionistas de referência da Cofina mas permitirá a entrada de novos players, por forma a permitir o financiamento do negócio. No setor, fala-se da possibilidade de um destes novos acionistas de referência da Cofina poder vir a ser os brasileiros da TV Record, ligados à Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

O anúncio das negociações só foi oficializado no dia 13 de agosto, depois de a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter suspendido as ações das duas empresas por estar a aguardar mais detalhes sobre a operação. Essa confirmação acabou por chegar no mesmo dia, com a Cofina a garantir que estava «em negociações exclusivas» com a dona da TVI.

Esse interesse já tinha sido divulgado em março pelo SOL ao revelar que o grupo espanhol estava em fase de conclusão de um acordo de princípios com um grupo de investidores com ligações aos media em Portugal. Uma operação que deverá ficar abaixo dos 300 milhões de euros.

Ao que o SOL apurou, Paulo Fernandes não queria correr o risco de enfrentar o mesmo desfecho que teve a Altice cerca de dois anos antes. A operação avaliada em cerca de 440 milhões de euros acabou por esbarrar na demora das autorizações necessárias da Concorrência e de outras entidades reguladoras.

Também o próprio primeiro-ministro, no dia em que foi anunciado o negócio, em julho de 2017, fez duras críticas à operadora, nomeadamente sobre o funcionamento das comunicações durante o incêndio de Pedrógão Grande, chegando mesmo a dizer que, pessoalmente, enquanto consumidor de telecomunicações, tinha conclusões face ao panorama existente no mercado nacional. «Por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo», disse António Costa durante um debate quinzenal.

Umas críticas que levaram o PSD a apresentar no Parlamento um requerimento ao considerarem que António Costa tinha feito «vários juízos pejorativos e críticas pessoais à PT/Altice, com base em informações de que dispõe mas que não são do conhecimento dos cidadãos em geral nem dos deputados».

 

Vedetas de saída

O SOL sabe que a Cofina fez algumas exigências no caso da compra da TVI, como é o caso da saída de grandes nomes da estação de Queluz de Baixo. Estão pelo menos quatro nomes em cima da mesa, como é o caso de Judite Sousa, José Alberto Carvalho – que não tem contrato com a Media Capital porque está nos quadros de uma empresa que presta serviços para a TVI, uma prática corrente na estação – e Joaquim Sousa Martins, alguns dos elementos ‘mais caros’ da estação. No entanto, fonte da Cofina contactada pelo SOL lembra que a possibilidade de saídas só estará em cima da mesa no caso de a compra se concretizar e se os novos donos assim o entenderem.

Ao SOL, José Alberto Carvalho garante não saber «de onde veio esta informação nem o porquê». O jornalista da TVI acrescentou ainda que o seu trabalho é «público e fala por si».

O SOL tentou contactar ainda Judite Sousa  mas não obteve resposta até ao fecho desta edição.

No entanto, as exigências vão além da possível saída dos grandes nomes conhecidos pelo público, podendo estender-se à grelha de programação.

O SOL sabe que a marca preponderante será sempre a do CM, estando agendado o fecho da TVI24.

E também a grelha já está ‘a mexer’. Por exemplo, o programa de José Eduardo Moniz, Deus e o Diabo, não faz parte da nova grelha de programação da TVI, que será apresentada em breve. Aliás, o programa já não é transmitido desde o passado mês de junho. Contactado pelo SOL, José Eduardo Moniz remeteu esclarecimentos para a direção de programas. Também a TVI foi contactada sobre este assunto mas preferiu «não responder a rumores» , comentando apenas que as possíveis alterações na grelha serão anunciadas «quando for a altura indicada».

Recentemente, no Brasil, José Eduardo Moniz foi apontado como possível reforço da TV Bandeirantes.

 

Negócio da Altice condenado à nascença

A concretizar-se a venda da TVI à Cofina, o negócio far-se-á, pois,  por menos quase 30% dos valores que envolviam a compra da estação pela Altice, há dois anos.

A venda da Media Capital à Altice registou desde o início vários entraves, tanto para as empresas concorrentes como para os próprios reguladores estava condenada à nascença, mas que seria a tábua de salvação para o grupo espanhol que precisava, na altura, de financiamento rápido.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) chegou a defender, num parecer enviado à Autoridades da Concorrência (AdC), que esta operação não deveria ter lugar «nos termos em que foi proposta, por ser suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva» em vários mercados. Já a Concorrência avançou com uma investigação aprofundada «por considerar que, à luz dos elementos recolhidos até ao momento, existiam fortes indícios de que a aquisição do Grupo Media Capital pela Altice poderia resultar em entraves significativos à concorrência efetiva em diversos mercados, tanto ao nível da produção de conteúdos e da concorrência entre canais de televisão e mercados de publicidade, como, também, ao nível dos mercados de telecomunicações e de oferta de televisão por subscrição».

A Altice ainda chegou a apresentar remédios à AdC, mas acabaram por ser chumbados por considerar que as medidas avançadas não protegiam os direitos dos consumidores nem garantem a concorrência no mercado.

Um ano depois, o desfecho da operação e já com uma situação desafogada – a Prisa tinha chegado entretanto a acordo com os credores para prolongar o vencimento da dívida até 2022, altura em que terá de reembolsar 1500 milhões de euros aos investidores – o grupo espanhol garantiu que continuava interessado em alienar a dona da TVI, mas «sem pressa» em concretizar no curto e médio prazo, uma vez que considerava a Media Capital uma empresa «muito sólida».

Menos convencido com o desfecho da operação ficou o CEO da operadora que, numa entrevista ao SOL, admitiu que «nunca mais houve outro investimento com a dimensão da compra da PT pela Altice» e apontou dedo aos reguladores e a vários responsáveis políticos por não terem compreendido a dimensão do negócio. «Houve incapacidade de compreender este projeto, de olhá-lo como um projeto de desenvolvimento económico do país e da própria sociedade. O que falhou foi talvez uma sensibilidade por parte de autoridades administrativas para algo que se chama economia real, para algo que se chama crescimento da economia», referiu Alexandre Fonseca.

 

Venda programada

A verdade é que a Prisa tem vindo nos últimos meses a reforçar o seu investimento em áreas consideradas estratégicas. Exemplo disso foi a compra de mais de 25% do grupo editorial Santillana por 315,5 milhões de euros. Uma empresa que que é líder em Espanha e na América Latina e que, no ano passado, faturou um total de 600 milhões de euros. No entanto, a venda de ativos considerados não estratégicos, como é o caso da dona da TVI, manteve-se sempre em cima da mesa.

Recorde-se que a Media Capital fechou o primeiro semestre com lucros de 5,9 milhões de euros, uma quebra de 44% face ao período homólogo.

Já a Cofina apresentou lucros de três milhões de euros nos primeiros seis meses do ano.