Opiniao

Atrás de Serena há legião de ‘teenagers’

Depois de vários anos em que a veterania deu cartas no ténis, estamos a voltar às jogadoras precoces

Serena Williams, quase a completar 38 anos, e Bianca Andreescu, de 19 discutem hoje a final feminina do US Open.
Serena é a mais velha finalista de Majors da Era Open (história do ténis profissional), 20 anos depois de ter disputado a sua primeira final de Majors, no US Open de 1999 (recorde mundial). Em 19 presenças em Flushing Meadows está na final pela décima vez.

A norte-americana que em 2018 ‘comprou uma guerra’ com o árbitro português Carlos Ramos é um colosso e o antigo n.º1 mundial, Mats Wilander, disse no Eurosport ser a maior figura da história do ténis, mulheres e homens considerados.
Se vencer hoje à noite a final marcada para as 21 horas de Lisboa, Serena igualará o recorde de Margaret Court de 24 títulos de singulares do Grand Slam e passará a ser a jogadora com mais troféus do US Open na Era Open, desempatando os 6 títulos que partilha com Chris Evert.

Mas hoje não disserto sobre Serena pois desejo trazer é baila o que os seus feitos têm ofuscado.
Depois de vários anos em que a veterania deu cartas no ténis, estamos a voltar às jogadoras precoces. Se no ténis masculino os trintões Roger Federer, Rafael Nadal e Novak Djokovic ainda são superiores nos grandes momentos, no circuito feminino a renovação está em marcha e em força.

É bom que Serena quebre o recorde de Court rapidamente. Ela perdeu as três últimas finais de Majors que jogou e atrás de si há jovens leoas a rugir.

Em Roland Garros a combinação de idades das finalistas (Ash Barty de 23 anos e Marketa Vondrousova de 19) foi a mais baixa desde a edição do mesmo torneio de 2008.

Ainda em Paris, Amanda Anisimova de 17 anos e Vondrousova marcaram a primeira vez que duas jogadoras com menos de 20 anos (‘teens’) chegaram às meias-finais de um mesmo Major desde o US Open de 2009. E Vondrousova foi a primeira ‘teen’ na final de Roland Garros desde 2007.

Agora, no US Open, com Andreescu na final, é a primeira vez desde 2009 que duas ‘teens’ vão a finais de Majors diferentes numa mesma época.

Mas não estamos a falar só de duas ou três jogadoras. Em 2019 houve 13 atletas a conquistarem o seu primeiro título WTA e cinco dos 41 torneios realizados foram ganhos por jogadoras com menos de 20 anos, o número mais elevado de ‘teens’ campeãs desde 2009.

A média de idades de campeãs de torneios do WTA Tour em 2019 é de 23,7, a mais baixa desde 2008.
Não irá demorar muito a termos de novo uma ‘teen’ a vencer um Major, algo que não sucede desde o triunfo de Maria Sharapova no US Open de 2006 quando tinha 19 anos. Será já hoje Andreescu a fazê-lo?