Sociedade

GOL passa a integrar alto cargo na estrutura maçónica

Grande Oriente Lustiano integra agora o conselho administrativo da Aliança Maçónica Europeia.

O Grande Oriente Lusitano (GOL) foi eleito responsável pela organização do colóquio europeu anual promovido pela Aliança Maçónica Europeia (AME). Em declarações ao i, Fernando Lima, Grão-Mestre do GOL, explicou que a iniciativa poderá ajudar as organizações maçónicas a terem uma maior “influência” junto das instituições europeias.

Segundo o i apurou, a eleição dos novos membros do bureau (ou conselho de administração) da AME realizou-se no passado dia 15 de setembro, em Bruxelas, e o GOL fez-se representar pelo seu grão-mestre. Ao assumir este cargo, a loja maçónica portuguesa passa integrar uma posição importante dentro da estrutura maçónica europeia.

O colóquio realizar-se-á em Bruxelas ou Estrasburgo, durante o próximo ano, e contará com presença de elementos do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia. “Realizar um colóquio junto destes órgãos europeus tem alguma influência no sentido de poder trocar mais ideias, debater os temas europeus e discutir outras questões relevantes”, disse ao i Fernando Lima.

No ano passado, o colóquio internacional teve como tema a democracia na Europa. Para este ano, ainda não está nada pensado. “O evento só deve ser organizado no próximo ano. Há uma Comissão [Europeia] nova, por isso não deverá ocorrer antes de janeiro ou fevereiro”, disse o grão-mestre da maçonaria.

 

Relação próxima com a Europa

A maçonaria tem uma forte ligação às instituições europeias. Aliás, segundo Fernando Lima, a Comissão Europeia está obrigada a reunir com a maçonaria anualmente.

“Há um artigo na constituição europeia que diz que a Comissão Europeia deve ouvir organizações religiosas e filosóficas, numa reunião anual. Mas, a par disso, não significa que não ocorram mais diálogos e colóquios. Aliás, este colóquio internacional organizado pela AME nada tem a ver com esta reunião”, explicou o grão-mestre do GOL ao i.

O 17º artigo do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia refere que “a União respeita e não interfere no estatuto de que gozam, ao abrigo do direito nacional, as igrejas e associações ou comunidades religiosas nos Estados-Membros”, bem como “o estatuto de que gozam, ao abrigo do direito nacional, as organizações filosóficas e não confessionais”.

Assim, “o Parlamento Europeu organiza, normalmente, dois ou três seminários do diálogo no âmbito do artigo 17.° por ano. São públicos e transmitidos via Internet. Todos os parceiros do diálogo registados, tanto religiosos como não confessionais, são convidados a participar em todos os seminários e outras atividades no âmbito do artigo 17°. Os temas do diálogo podem provir de todas as áreas de ação da UE. Os parceiros do diálogo no âmbito do artigo 17.° do Parlamento Europeu são consultado quanto à escolha dos temas, bem como quanto ao formato dos seminários”, explica o Parlamento Europeu no seu site.

Fernando Lima explicou ao i que, nos últimos tempos, não tem marcado presença nestas reuniões promovidas pela Comissão Europeia, que, normalmente, se realizam no final do ano. “Antes íamos a estas reuniões, mas atualmente somos representados pela AME”, refere o grão-mestre.