Internacional

Matou as filhas porque era melhor "irem para o céu" do que saberem que o pai tinha assassinado a mãe

Homem sufocou as crianças dizendo que se tratava de um jogo divertido que as levaria a desmaiar.

Um homem, de 35 anos, foi condenado a prisão perpétua pelo homicídio da mulher e das suas duas filhas, na Colúmbia Britânica, no Canadá.

Em dezembro de 2017, Jacob Forman matou a mulher, Clara, com uma marreta, depois de esta o confrontar por causa dos problemas que tinha com o álcool.

De seguida, depois de limpar a neve da rua com as filhas, Karina e Yesenia, de sete e nove anos, e de as levar à igreja, o homem sufocou as crianças dizendo que se tratava de um jogo divertido que as levaria a desmaiar.

Forman admitiu ainda que escondeu os corpos na garagem e que foi trabalhar nos dois dias seguintes aos crimes. Além disso, o homem comprou produtos de limpeza para retirar sangue de um tapete.

Os corpos acabaram por ser encontrados depois de os colegas de trabalho da mulher entrarem em contacto com a polícia por estarem preocupados.

Em tribunal, o homicida confessou que matou as crianças porque acreditava que era melhor estas “irem para o céu” do que viverem num mundo onde o pai matou a mãe e revelou que matou Clara no quarto de ambos.

Em declarações à CBS, a irmã de Clara confessou que a família se preocupava com Jacob Forman.

"Não olhamos para Jacob como apenas um criminoso. Nós olhamos para ele como uma pessoa que está a passar por isto connosco, com uma enorme quantidade de dor que não conseguimos entender", disse.

Forman foi condenado a prisão perpétua, sem possibilidade de pedir liberdade condicional durante 35 anos.