Politica

Democratas avançam com impeachment contra Trump

Em causa, está uma conversa telefónica entre Trump e o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, onde o Presidente norte-americano pressiona Zelenski a investigar o antigo vice-presidente Joe Biden e o seu filho Hunter Biden.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, confirmou esta terça-feira que os Democratas vão avançar com um pedido formal de investigação com vista ao impeachment do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. 

Depois de uma reunião com os democratas, Pelosi anunciou publicamente o impeachment. "Ninguém está acima da lei", declarou. 

Em causa, está uma conversa telefónica entre Trump e o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, em julho, onde o Presidente norte-americano alegadamente pressiona Zelenski a investigar o antigo vice-presidente Joe Biden e o seu filho Hunter Biden, atual candidato à presidência norte-americana. Dias antes da chamada com Zelenski, os Estados Unidos cortaram financiamento à Ucrânia, o que agora é entendido como uma chantagem por parte do Presidente norte-americano. 

Segundo a presidente da Câmara dos Representantes, a atitude de Trump colocou em causa a segurança nacional e as proteções dos denunciantes. "O presidente deve ser responsabilizado", disse Pelosi. "Ninguém está acima da lei". 

Agora o pedido de impeachment por parte dos democratas terá que passar no Senado, para depois ser iniciado o "julgamento político". Se no Senado, dois terços decidir que Trump deve deixar de ser presidente, este é imediatamente destituído do cargo. No entanto, o cenário é pouco provável visto a maioria pertencer ao partido Republicano. 

Trump já reagiu ao pedido de impeachment, através da sua conta de Twitter. "Eles nem sequer leram as transcrições. É uma caça às bruxas total!”. O Presidente norte-americano acusa os democratas de estarem a fazer “assédio presidencial!” e de estarem a tentar ganhar votos com a situação.