Politica

Costa prefere não comentar caso Tancos. Rui Rio defende Presidente da República

Partidos não querem caso Tancos na campanha eleitoral. Rui Rio e Jerónimo de Sousa defendem PR. Costa prefere não comentar.

O caso Tancos entrou na campanha eleitoral com Rui Rio e Jerónimo de Sousa a defenderem o Presidente da República. António Costa, perante as notícias que envolvem Belém no encobrimento de Tancos, limitou-se a afirmar que “isso é da justiça”.

O presidente do PSD, Rui Rio, saiu em defesa do Presidente da República. “Envolvimento do Presidente da República não vejo nenhum. Acho que devemos ter muito cuidado quando envolvemos o nome do Presidente da República. É leviano envolver o Presidente da República numa polémica destas, não o devemos fazer”, afirmou Rui Rio, numa ação de campanha na Vidigueira, no distrito de Beja.

Também o secretário-geral do PCP defendeu que não há “nenhuma razão para suspeitar” de Marcelo Rebelo de Sousa. “É a palavra do Presidente. Não tenho nenhuma razão para suspeitar. Faça-se esse apuramento dos factos e, com certeza, encontraremos a resposta, mas, por enquanto, vale a palavra do Presidente e vale essa necessidade de apuramento dos factos”, acrescentou Jerónimo de Sousa.

Já a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu que o caso de Tancos não deve ser “um caso de eleições” porque “já decorre há bastante tempo”. Para a líder dos bloquistas, a justiça “deve fazer o seu caminho e deve apurar todas as responsabilidades e todas as consequências”.

“GOVERNO ESTEVE MAL” Assunção Cristas não quis comentar os desenvolvimentos sobre este caso, mas reafirmou que “o Governo esteve mal, atuou mal, não acautelou o furto e aparentemente foi conivente ou cúmplice no encobrimento ou farsa montada para a recuperação do material”.

O CDS foi um dos partidos que mais criticou o Governo por causa do caso Tancos. Assunção Cristas lembrou ontem, à margem de uma visita à fábrica da Continental, em Vila Real, que o CDS foi “até ao limite dos [seus] poderes parlamentares de censura a um Governo que falhou muito ao país ao longos destes quatro anos”.

ESPECULAÇÕES E RUÍDO André Silva, do PAN, afirmou que este caso não deve entrar na campanha eleitoral. “Não queria alimentar mais ruído em torno de um caso que precisa de muitos mais esclarecimentos e, quando houver, estarei disponível para comentar algo concreto e objetivo e não para alimentar mais especulações”, acrescentou o deputado e cabeça-de-lista do PAN.