Sociedade

Barragens. Armazenamento de água baixou em setembro

Quantidade de água armazenada nas barragens voltou a diminuir em setembro. Quercus reforça inversão de política de gestão de água 

DR  

A quantidade de água armazenada desceu em todas as bacias hidrográficas no mês de setembro, um cenário que já se tinha verificado em agosto. De acordo com a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, a inversão da política de gestão de água é o “principal desafio deste século”, para que haja “quantidade e qualidade de água suficiente para as gerações vindouras”. 

Os dados disponibilizados ontem pelo Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH) mostram que todas as 12 bacias hidrográficas portuguesas monitorizadas pela Associação Portuguesa do Ambiente (APA) baixaram os seus níveis de armazenamento de água no último mês. No total, 26 das 59 barragens monitorizadas apresentaram disponibilidades hídricas inferiores a 40%. Por outro lado, apenas quatro barragens apresentaram disponibilidades superiores a 80%.

No final de setembro, a bacia hidrográfica que apresentava a menor percentagem de água armazenada era a do Sado, com 28,1% de água. Para além desta, a bacia do Barlavento estava a 34,4% da capacidade, enquanto que as bacias do Ave, do Arade e do Oeste apresentavam níveis de 40,5%, 41,8% e 41,9%, respetivamente.

Ao nível das barragens, as menores disponibilidades hídricas situam-se nas bacias do Guadiana e do Sado. A barragem de Lucefecit, no distrito de Évora, usada para irrigação, terminou setembro com 4,8% de disponibilidade de água. Os valores são também particularmente baixos nas albufeiras de Abrilongo (5,8%), Vigia (10,2%), Caia (15%), todas na bacia do Guadiana. Na bacia do Sado as percentagens de armazenamento mais baixas verificam-se nas albufeiras de Campilhas (7,2%), Monte da Rocha (8,8%) e Pego do Altar (11%). 

 Ao i, Paulo do Carmo, presidente da Quercus, reitera que o motivo principal para este cenário prende-se com “chover cada vez menos, de ano para ano, desde os últimos 30 ou 40 anos”, tendência associada às alterações climáticas.

O presidente da associação ambientalista defende que é necessário uma inversão da política de gestão de água, uma vez que grande parte da água utilizada para fins agrícolas - cerca de 70% da água nacional tem este fim - fins industriais e para consumo próprio é desperdiçada e fica na rede. “Estamos a falar de milhões de metros cúbicos de água que fica no fundo na rede. É um desperdício daquilo que é um bem essencial e fundamental para o país e para o planeta”, sublinha.

“Portugal é o 3º país da Europa onde existe o maior consumo per capita. Estamos a falar de 195 metros cúbicos por dia. É um patamar bastante elevado e temos que inverter isso, nomeadamente com campanhas de sensibilização, informação, eficiência da gestão de água”, afirma ainda o ambientalista, notando que, em Portugal, apenas 1% das águas residuais são reaproveitadas, contrariamente ao que acontece nos restante países europeus.  

Segundo Paulo do Carmo, o caso mais grave é o do Alentejo, devido aos “milhares de hectares de regadio que vão buscar águas às barragens”. De resto, a cultura do regadio é também apontada pelo dirigente como um grande problema ao nível da gestão da água em Portugal. 

Para o presidente da Quercus, para que as gerações vindouras tenham “água em qualidade e quantidade suficiente”, é necessária uma “remodelação das redes, uma gestão eficiente e um reaproveitamento das águas e uma sensibilização constante das populações para uma melhor utilização deste recurso”.