Sociedade

Furacão Lorenzo deixa mais de 30 pessoas desalojadas nos Açores

Cerca de 100 pessoas foram retiradas de casa por precaução.

A passagem do furacão Lorenzo pelos Açores já registou pelo menos 127 ocorrências, segundo uma nota da Proteção Civil. 39 pessoas ficaram desalojadas e 100 foram retiradas de casa por precaução.

 A maior parte dos desalojamentos ocorreram na cidade da Horta, na ilha do Faial, devido a um "galgamento do mar na zona da avenida 25 de abril", declarou o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, Carlos Neves, em declarações aos jornalistas, em Angra do Heroísmo, citado pela SIC Notícias

"Foram realojadas 39 pessoas, na sua maioria na ilha do Faial, tendo esta sido uma das mais afetadas, não se tendo registado, no entanto, qualquer vítima”, avançou a mesma fonte. No concelho das Lajes do Pico, foram "retirados das suas habitações 100 habitantes" por precaução. 

Não há registo de vítimas

Até ao momento, além dos desalojados, houve registo de danos materiais. A maioria são quedas de árvores, obstrução de estradas, danos em moradias e postes de abastecimento de eletricidade e telefónicos que caíram. “Foram registadas 127 ocorrências, nomeadamente, duas na ilha do Corvo, 21 nas Flores, 46 na ilha do Faial, 20 no Pico, 19 de São Jorge, oito na Graciosa, nove na Terceira, e duas em São Miguel”, de acordo com a Proteção Civil.

Várias freguesias sem eletricidade, estradas cortas e voos cancelados

Na ilha das Flores registaram-se “graves danos” no porto das Lajes, onde “parte do molhe foi engolido pelo mar, assim como o edifício de apoio à estrutura portuária e alguns contentores”.

Na zona de Santa Cruz das Flores, a passagem do furacão provocou ainda "alguns cortes de energia" e problemas "nas redes de telemóvel e de comunicação". Segundo declarações de uma fonte da empresa Eletricidade dos Açores (EDA) à agência Lusa várias freguesias do arquipélago estão sem energia elétrica. Este é o caso da  freguesia de Guadalupe, na Graciosa, a freguesia do Topo, na ilha de São Jorge, o concelho de Madalena, no Pico, a freguesia de Feteira e zonas das freguesias de Castelo Branco e Cedros, na ilha do Faial.  É esperado, segundo o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, que estas falhas sejam corrigidas ao "longo dos dias". 

Todas as ilhas do arquipélago, à exceção do Corvo e de Santa Maria, tiveram estradas cortadas pelas autoridades, num total de 61 vias.O número de ocorrências pode vir a aumentar durante o período da manhã, visto a Proteção Civil ter decidido manter o alerta vermelho "durante mais umas horas". 

No que toca aos voos, destinados ao grupo central do arquipélago - Terceira, São Jorge, Pico, Graciosa e Faial - e ocidental - Flores e Corvo - o porta-vos do grupo SATA, António Portugal declarou que a ligação aérea apenas será retomada "a partir das 15h locais, quando está prevista a melhoria do tempo".