Sociedade

"Astrólogo" condenado a três anos de prisão com pena suspensa por extorsão na Guarda

O arguido começava a exigir mais dinheiro, afirmando que caso tal não acontecesse, os familiares das pessoas que o consultavam iriam sofrer as consequências. 

O Tribunal da Guarda condenou esta quinta-feira um homem, que dizia ser "astrólogo", pelo crime de extorsão. O arguido foi condenado a uma pena de três anos de prisão suspensa. 

O homem, de nacionalidade estrangeira, "anunciava-se como ‘astrólogo', publicitando essa atividade através de panfletos nos quais se apresentava como ‘africano, grande cientista espiritualista, com super magia negra e branca mais forte'", pode-se ler na nota publicada na Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra. 

Uma das vítimas de extorsão, consultava o arguido, que prometia resolver os problemas familiares da mulher. O homem exigia que esta fizesse "novas entregas de dinheiro mediante a ameaça, designadamente, de que, se assim não procedesse, o marido e os filhos iriam morrer", o que fez a vítima continuar a pagar ao homem, "por temer pela vida dos familiares", milhares de euros. 

Também um homem, residente em Santa Comba Dão, "procurou o ‘astrólogo' para o ajudar a acabar com ameaças de que estava a ser vítima, entregando-lhe a quantia de 3.000 euros". Como aconteceu com a mulher, o arguido começou a exigir mais dinheiro, afirmando que caso tal não acontecesse, a filha da vítima iria ter graves problemas de saúde. 

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra, "o arguido conseguiu que aquele lhe entregasse mais algumas centenas de euros".

Além da pena de prisão suspensa, o Tribunal Coletivo da Guarda também condenou o arguido a indemnizar as vítimas no montante de 7.950 euros.