Cultura

Cantora sul-coreana encontrada morta em casa

Sulli esteve envolvida no movimento "sem sutiã", onde mostrou os seus mamilos em várias ocasiões, apelando às mulheres para se sentirem confortáveis na sua própria pele e esquecerem os estereótipos. 

A cantora de K-pop Sulli foi encontrada sem vida pelo seu agente, dentro da sua casa em Seul, na Coreia do Sul. A cantora interrompeu a sua carreira musical e os fãs acreditam que a pausa se deveu à cantora estar a enfrentar uma depressão, devido aos insultos que recebia através das redes sociais.

A polícia está a investigar o caso e pondera que a artista tenha cometido suicídio. Sulli tinha mais de cinco milhões de seguidores nas redes sociais e tinha feito parte da banda f (x), antes de abraçar uma carreira na área da representação. Com o passar do tempo, a artista começou a sofrer bullying online e abordou o assunto publicamente diversas vezes. 

A jornalista cultural Taylor Glasby confessa que Sulli nunca se identificou com as celebridades sul-coreanas. "Ela foi um dos ídolos que decidiu viver sua vida à sua maneira e que nem sempre se encaixava bem com o público em geral", declarou à Radio 1 Newsbeat. "Para os ídolos, tudo é sobre aparência, tudo é monitorizado e para ela simplesmente não funcionava assim. Ela era ela mesma", acrescenta. 

A cantora esteve envolvida no movimento "sem sutiã", onde mostrou os seus mamilos em várias ocasiões, apelando às mulheres para se sentirem confortáveis na sua própria pele e esquecerem os estereótipos. As primeiras fotos foram publicadas no seu instagram em maio de 2016 e a artista foi bastante criticada pelo público nas redes sociais.

No mês passado, por acidente, Sulli mostrou os seios durante uma transmissão ao vivo no Instagram, o que voltou a gerar críticas.