Politica

"Hoje é tudo tão rápido nas notícias, mas não é rápido na vida das pessoas"

Presidente falou sobre a resolução de problemas provocados pelos incêndios de outubro de 2017.

"Hoje é tudo tão rápido nas notícias, mas não é rápido na vida das pessoas. Há uma diferença entre o país nas notícias e o país na vida das pessoas" – foi desta forma que Marcelo Rebelo de Sousa justificou, esta terça-feira, a resolução, a ritmos diferentes, dos problemas provocados pelos incêndios de outubro de 2017.

"Fazer uma lei demora tempo, aplicar a lei, mudar a lei, corrigir a lei, fazer viver a lei e ela chegar à vida do dia a dia é muito mais difícil", referiu o chefe de Estado, citado pela agência Lusa, durante o seu discurso numa cerimónia de inauguração de um jardim de infância em Midões, que havia sido destruído pelo fogo há dois anos.

"As pessoas viram os seus problemas resolvidos a ritmos diferentes, uns mais depressa, outros um pouco mais devagar e outros estão agora ainda a começar a ver resolvidos os problemas", disse, já no final, em declarações aos jornalistas.

O Presidente da República lembrou que, na altura, todos desejaram reerguer o que havia sido destruído “em seis meses ou um ano”, no entanto, “a realidade é mais complicada do que as leis, do que os fundos, do que os concursos, do que as regras".

Recorde-se que 50 pessoas morreram e 70 ficaram feridas na sequência dos incêndios de outubro de 2017. As chamas destruíram ainda, total ou parcialmente, cerca de 1500 casas e mais de 500 empresas.