Economia

INE. Atividade económica aumenta, clima económico diminui

Indicador quantitativo do consumo privado também desacelerou em agosto, de acordo com o organismo.

O indicador de atividade económica, disponível até agosto, registou um ligeiro aumento em Portugal. Já o indicador de clima económico, disponível até setembro, diminuiu. Os dados foram divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) na Síntese Económica de Conjuntura e revelam ainda que o indicador quantitativo do consumo privado também desacelerou em agosto, “refletindo um contributo positivo menos expressivo da componente de consumo corrente, tendo o consumo duradouro apresentado um contributo nulo”.

Ainda segundo o gabinete de estatística, o indicador de formação bruta de capital fixo (FBCF) acelerou no mês de agosto. A principal justificação para esta subida prende-se com o componente de construção e com o contributo negativo menos intenso da componente de material de transporte, tendo a componente de máquinas e equipamentos apresentado um contributo negativo mais expressivo, explica o INE.

Em termos nominais, as exportações e importações de bens apresentaram, respetivamente, variações homólogas de -3,6% e 0,6% em agosto. “Considerando a atividade económica da perspetiva da produção, verificou-se uma diminuição na indústria, bem como um abrandamento em termos nominais nos serviços e uma ligeira desaceleração em termos reais na construção”, avalia o INE.

Emprego A taxa de desemprego entre os 15 e os 74 anos, ajustada de sazonalidade foi de 6,2% no mês de agosto - uma taxa inferior em 0,2 pontos percentuais ao valor definitivo registado no mês anterior - o que compara com 6,6% de há três meses e 7,0% de igual período do ano anterior.

Já a estimativa da população empregada, também entre os 15 e os 74 anos e ajustada de sazonalidade, apresentou um crescimento de 1,1% em termos homólogos e 0,4% quando comparada ao mês anterior. Estes dados são obtidos com base nas estimativas mensais do Inquérito ao Emprego.

No que diz respeito ao Índice de Preços no Consumidor (IPC), este apresentou uma variação homóloga negativa de 0,1% em setembro, uma taxa que foi idêntica à do mês anterior. Observou-se ainda, explica o gabinete de estatística, uma variação também negativa de 0,7% na componente de bens (idêntica à do mês anterior) e de 0,8% na de serviços nos meses de agosto e setembro.

Área Euro Na Área Euro, indicador de confiança dos consumidores aumentou, ao contrário do que aconteceu com o indicador de sentimento económico que diminuiu. Os dados são referentes ao mês de setembro. 

No mesmo mês, explica o INE, os preços das matérias primas e do petróleo apresentaram variações em cadeira de 0,7% e 7,6%, respetivamente (-2,2% e -6,9% em agosto).