Opiniao

Pelo aumento do número de estudantes no ensino superior

Na população entre 25 a 34 anos, em Portugal só 34% detém formação superior, enquanto na OCDE a média é de 44%.

Na modernidade, formas sociais de vida, trabalho, produção e instituições incorporaram o desenvolvimento científico-tecnológico e reagiram-lhe, em graus diversos. No caso das universidades, que são instituições de (re)produção do saber, desenvolvimento e criação de conhecimento, as mudanças acentuaram-se nas últimas décadas em torno de quatro eixos: a articulação entre ensino e investigação e a produção do conhecimento; a transferência de saber e a ligação à sociedade; a triangulação entre conhecimento, educação e emprego; a internacionalização.

Na agenda 2020-2030 para o Ensino Superior em Portugal, encontram-se, entre outros, como vetores centrais: aumentar e diversificar os estudantes, repensar o acesso ao ensino superior, alargar a ação social escolar, fomentar uma ligação mais forte entre ensino e investigação, melhorar a articulação com a sociedade. Contemplando-se ainda a inovação no ensino, o aumento de competências digitais e especializadas, as condições de vida dos estudantes (desde logo o alojamento). Sendo todos estes aspetos importantes, vou deter-me em duas questões centrais: aumentar o número de estudantes e diversificar a formação.

De acordo com o relatório sobre educação da OCDE, publicado em 2018, Portugal é um dos países com maior diferença entre o número dos estudantes inscritos no ensino secundário e a frequentar o ensino superior. Dos 98% de jovens de 16 e 17 anos inscritos em instituições de ensino, em Portugal, contra 95% (média dos países da OCDE) e 92% (média UE), a partir dos 18 anos esse indicador cai e contam-se 82% de inscritos aos 18 anos, 65% aos 19 e apenas 54% aos 20 anos. Ou seja, a partir dos 20 anos a situação inverte-se: apenas 4 em cada 10 jovens se encontram a estudar no ensino superior. Dos 20 aos 24 anos, 37% estão inscritos numa instituição de ensino, em Portugal, ao passo que 42% nos países da OCDE e 43% nos parceiros da União Europeia. Na população entre 25 a 34 anos, em Portugal só 34% detém formação superior, enquanto na OCDE a média é de 44%.

Pretendendo-se atingir, em 2030, uma taxa média de frequência no ensino superior de 6 em cada 10 jovens com 20 anos, pode enunciar-se como medidas essenciais para atrair um maior número de estudantes: operar mudanças nos cursos profissionais, nas formas de acesso e nas ofertas do ensino superior. 

A par da universidade como espaço de pensamento crítico, de investigação e inovação, importa diversificar a formação superior em áreas científicas, tecnológicas e artísticas emergentes e multidisciplinares e que se liguem às novas ecologias e problemas contemporâneos. 

*Reitora da Universidade Lusófona do Porto