Sociedade

Lisboa a reboque de Madrid

Um novo plano de mobilidade está prestes a ser implementado na capital portuguesa. Projeto pode passar pelo condicionamento do acesso automóvel ao centro histórico.  

Lisboa pode estar a caminho de ter um centro histórico sem carros – adivinha-se, pelo menos, a intenção de apostar numa redução drástica. Em causa está o novo plano de mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa que ainda é uma incógnita para muitos, mesmo dentro da autarquia. Apesar do sigilo em que está envolto o processo, segundo o SOL apurou, o novo projeto para a capital pode passar pelo condicionamento do acesso automóvel desde a Avenida da Liberdade até à zona do Cais do Sodré, passando pela Baixa.
 
O objetivo é criar uma zona de circulação exclusiva a residentes e transportes públicos, à semelhança daquilo que já acontece em algumas partes dos bairros históricos de Alfama e Bairro Alto, onde não é permitida a circulação de veículos sem dístico de residência. Alargar os passeios e construir ciclovias são outras das apostas que poderão reduzir as áreas de estacionamento.
 
Na Assembleia Municipal e mesmo dentro dos serviços da autarquia há quem se queixe de que a informação sobre o novo plano é escassa – havendo até quem afirme que, ao contrário do que tem acontecido, era importante ter em conta pareceres técnicos nesta fase. Nos últimos tempos, tem sido anunciado na assembleia municipal que o processo interno relativo ao novo projeto de mobilidade da cidade de Lisboa está a ser terminado e que será disponibilizado para consulta pública. 
 
Os novos problemas de Lisboa
Fonte conhecedora deste processo revelou ao SOL que o condicionamento do trânsito nas zonas mais movimentadas pode trazer novos problemas. Primeiro, será necessário construir ciclovias para potenciar a circulação das bicicletas e trotinetes. Depois, o alargamento dos passeios será inevitável, o que vai fazer com que os lugares de estacionamento sejam reduzidos. E reduzir o estacionamento vai forçar a diminuição da circulação automóvel na cidade. Tudo isto sem pensar em alternativas para quem tem a sua vida programada para andar de carro – muitas vezes por falta de alternativas. 
 
«Cria-se um desespero para quem vive na cidade, porque as mobilidades não estão regulamentadas», disse a mesma fonte, acrescentando ser necessário um debate sério e longo na assembleia municipal sobre o assunto. Além das questões políticas, sobrepõem-se as questões técnicas, no âmbito da aplicabilidade do novo projeto de mobilidade. 
Outro dos desafios será a fiscalização, uma vez que as novas regras terão de ser controladas. Recorde-se que no centro de Lisboa já estão impedidos de circular carros antigos – ainda que tenham sido publicadas inúmeras notícias dando conta da falta de controlo e penalizações para quem incumpre esta regra.
 
O exemplo que chega de Madrid 
Na capital espanhola a opção passou por afastar os automóveis da zona histórica. A medida entrou em vigor em março deste ano. 
 
O objetivo do plano Madrid Central focou-se na criação de um perímetro de cerca de 472 hectares interditos a veículos para reduzir a poluição na cidade. As regras são claras: à exceção dos transportes públicos e dos automóveis com visto de residência, todos os outros estão proibidos de circular. Neste sentido, os carros têm de ficar nos parques de estacionamento situados nas áreas subjacentes e estes parques estão sob o domínio do município.
 
O SOL contactou ontem ao final da tarde a Câmara Municipal de Lisboa para obter alguns esclarecimentos, não tendo sido possível obter uma resposta até ao fecho desta edição.