Politica

Costa compromete-se com salário mínimo de 750 euros em 2023

Já Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou António Costa, no seu discurso, que o seu primeiro Governo "beneficiou de uma conjuntura internacional muito favorável e um contributo herdado, em matéria de défice e de início de crescimento, do Governo que o antecedera".

Depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, dar posse ao novo Executivo, este sábado, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, António Costa discursou e deixou claro o objetivo de fixar o salário mínimo em 750 euros em 2023.

"O país que assumimos agora, a responsabilidade de governar é já bem diferente…A normalidade constitucional foi retomada e a tranquilidade foi devolvida ao quotidiano das pessoas", começou por dizer o primeiro-ministro, elogiando o trabalho desenvolvido pelo seu anterior Governo.

"Temos que ter pelo menos uma década de convergência económica e social com a UE. Queremos melhor emprego e salários justos para todos os trabalhadores", acrescentou.

"Há que erradicar a pobreza. Não basta controlar o défice, temos que reduzir a dívida pública nos próximos quatro anos para menos de 100% do PIB", defendeu, acrescentando depois que a meta é chegar ao fim da legislatura com o salário mínimo nos 750 euros.

"O Governo expressa, desde já, que tem o objetivo de atingir os 750 euros mensais de salário mínimo nacional em 2023", declarou.

Antes do discurso de Costa, já Marcelo Rebelo de Sousa tinha discursado após dar posse ao novo Executivo, como é protocolo.

O chefe de Estado elogiou o Governo que terminou funções, mas relembrou que os próximos quatro anos não serão uma “fácil tarefa”, frisando ainda que acredita que António Costa tem noção que o país está bem diferente de 2015, bem como as exigências dos portugueses.

"Não os podemos desiludir", disse Marcelo.