Economia

Aeroporto Montijo. ICFN quer 4,5 euros por cada aterragem e descolagem

Ao fim de 40 anos, esta taxa corresponderá a cerca de 12 milhões de euros, que somam a uma contrapartida inicial de 7,2 milhões de euros.

O  Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) exigiu à ANA Aeroportos que pague uma taxa de 4,5 euros por cada aterragem e descolagem de aviões no futuro aeroporto do Montijo. Esta foi a solução encontrada pelo organismo para compensar os impactes ambientais do novo aeroporto do Montijo nas espécies e habitats da Reserva Natural do Estuário do Tejo e das zonas especiais de proteção de aves integradas na Rede Natura, avança o Expresso.

Segundo o mesmo jornal, ao fim de 40 anos, esta taxa corresponderá a cerca de 12 milhões de euros, que somam a uma contrapartida inicial de 7,2 milhões de euros. No entanto, esta é uma das várias imposições do ICNF para dar dar parecer positivo condicionado ao Estudo de Impacte Ambiental (EIA) do aeroporto do Montijo.

Estas exigências são conhecidas uma semana depois de ter sido sugerida a localização de Alverca como a solução para um novo hub em Lisboa que iria funcionar como um complemento do aeroporto da Portela. 

A proposta feita em nome da sociedade civil  – envolveu vários especialistas e incluiu Carmona Rodrigues, um ex-presidente da APA e José Furtado, especialista português no setor – prevê que a infraestrutura conte com a construção de mais uma pista (usando as três já existentes, totalizando as quatro) e que seja capaz de gerir 75 milhões de passageiros e 500 mil movimentos anuais de aviões.