Sociedade

Lisboa. 46 casas entregues no Bairro da Boavista

Rendas destas habitações serão calculadas consoante os rendimentos dos agregados familiares

A Câmara Municipal de Lisboa entregou ontem mais 46 novas habitações no Bairro da Boavista, considerado bairro de intervenção prioritária em Lisboa e que tem sido alvo de uma intervenção com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos seus moradores. No âmbito da requalificação desta urbanização foram demolidas as velhas casas de alvenaria e estão a ser construídas novas habitações. No total, o investimento será de cerca de 60 milhões de euros, só neste bairro lisboeta.

Durante a cerimónia de entrega de chaves - onde estiveram presentes cerca de 150 moradores -, realizada ontem, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, afirmou que “o objetivo é simples, é ter o bairro todo requalificado, com casas dignas para as pessoas poderem morar”. 

Estas 46 novas habitações serão de tipologias T1, T2, T3 e T4. Estão inseridas na segunda de cinco fases de requalificação do Bairro da Boavista. Nesta segunda fase inclui-se a demolição de 118 casas que aqui se encontram de alvenaria e cujas famílias foram já realojadas entretanto. Esta demolição permitirá a construção de mais 170 habitações nesta zona.

Quando questionado pelos jornalistas sobre o valor das rendas destas habitações, Fernando Medina explicou que as mesmas são casas sociais, disponibilizadas ao abrigo do regime de renda apoiada. Quer isto dizer que o valor da renda é calculado mediante os rendimentos do agregado familiar. Contudo, o autarca não adiantou valores mínimos e máximos destas rendas.

Além destas 46 habitações, o autarca referiu que está prevista a construção de uma nova escola no bairro, que terá início no próximo ano e será uma “obra de grande dimensão”. Segundo o presidente da Câmara de Lisboa, esta escola será construída de raiz e será “uma das melhores escolas da cidade”. O orçamento será de cerca de 10 milhões de euros.

Está prevista ainda a recuperação de 500 casas no Bairro da Boavista, o que, para Fernando Medina, é um “número muito significativo, que significará um valor de investimento na casa dos 60 milhões de euros”.

Esta reabilitação muda também as características da habitação pública em Lisboa, uma vez que estas novas habitações foram construídas com elevados níveis de eficiência energética. A reutilização de água, acessibilidade para todos e o incremento da utilização da luz solar como fonte de energia e aquecimento são algumas das suas características.