Tecnologia

5G. Portugal no top10 dos países com mais testes

Dados revelados pelo Observatório Europeu para o 5G, uma estrutura criada no ano passado pela Comissão Europeia.

Portugal é um dos países da União Europeia com mais testes da tecnologia 5G. No entanto, faz parte da lista dos Estados-membros que ainda não têm planos nacionais para a implementação da rede móvel de quinta geração.

De acordo com o último relatório do Observatório Europeu para o 5G, uma organização criada no ano passado pela Comissão Europeia, Portugal está entre o “top 10 dos países europeus onde estão a ser organizados testes” para a implementação desta rede. A lista é composta ainda por Espanha, França, Itália, Alemanha, Reino Unido, Finlândia, Holanda, Estónia e Roménia.

O documento revela que, até setembro, tinham sido realizados ou estavam em curso 165 projetos-pilotos na União Europeia, em 125 cidades diferentes. Segundo o Observatório Europeu para o 5G, em Portugal as cidades escolhidas foram Aveiro, Évora e Porto. Nestas cidades são realizados testes relativos às infraestruturas e aos corredores tecnológicos.

O relatório revela também as previsões de datas para o lançamento comercial do 5G. De acordo com os dados disponíveis, em Portugal, a Altce deveria avançar no segundo semestre deste ano, a Vodafone no final de 2019 e a NOS em 2020. No entanto, é pouco provável que estas datas se mantenham, tendo em conta que Portugal falhou o prazo para a apresentação de uma estratégia nacional, prazo esse que venceu no verão.

Guerra sem fim à vista? A implementação do 5G em Portugal tem feito correr muita tinta nos jornais. O braço de ferro entre a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) e as operadoras parece estar longe de ficar resolvido. No final do mês passado, a Altice chegou mesmo a pressionar o Conselho de Ministros para que dissolvesse a administração do regulador.

Em causa está o calendário para o 5G, que inclui o processo de migração da frequência da Televisão Digital Terrestre (TDT) e um leilão de frequências com início marcado para abril de 2020. A Altice – que é responsável pela TDT – e a Anacom têm trocado nos últimos meses uma série de acusações no que diz respeito ao cumprimento deste calendário, com a empresa liderada por Alexandre Fonseca a acusar a Anacom de ser a responsável pelo atraso na implementação do 5G em Portugal.

 Mas a Anacom não tem problemas apenas com a Altice: a Vodafone e a NOS avançaram com ações judiciais contra a Anacom, responsabilizando o regulador pelo o atraso no desenvolvimento do 5G. Em causa está o impasse em relação à Dense Air, empresa britânica que está a apostar no desenvolvimento da rede de quinta geração em Portugal e que é detentora, desde 2010, do espetro de frequências 3,5 Ghz, necessárias para o desenvolvimento do 5G. 

Em outubro, Paul Senior, CEO da Dense Air, reconheceu que existem “atrasos” na implementação do 5G, mas recusou qualquer responsabilidade, apontando o dedo à migração da TDT e à confusão entre a Anacom e a Altice.