Internacional

Matou filho de 14 anos por ele ser homossexual

“Ele odiava o facto do filho dele ser gay".

Wendell Melton está a ser julgado pela morte do filho, de 14 anos, no Estado de Nevada, nos EUA. O homem, que esta quarta-feira voltou a tribunal, alega que disparou contra o filho por acidente, durante uma discussão. No entanto, a mãe de Giovanni Melton garante que o filho foi assassinado porque o pai não aceitava o facto de ele ser homossexual.

"Quando eu era casada com ele, ele fazia comentários muito depreciativos contra pessoas que eram homossexuais e eu sei que ele era homofóbico", disse a mãe da vítima, Veronica, em declarações à KTNV, acrescentando ainda que também morreu “no dia em que o filho foi morto”, em 2017.

A mulher refere ainda que o filho a procurou dois meses antes de morrer, altura em que teria contado ao pai sobre a sua orientação sexual.

Também Sonja Jones, que cuidou de Giovanni, diz que o homem já teria ameaçado a criança anteriormente.

“Ele odiava o facto do filho dele ser gay. Tenho a certeza que dentro da cabeça dele preferia ter um filho morto a um filho gay”, contou. “Espero que ele nunca mais veja a luz do dia e que veja o rosto do filho sempre que se olhar ao espelho”, acrescentou.

Giovanni, que estudava na Coronado High School, em Henderson, foi sempre recordado positivamente pelos amigos e colegas.

Wendell Melton, que se encontra em prisão domiciliária desde o ano passado, é acusado de homicídio qualificado, uso e porte de arma de fogo e abuso infantil. Uma nova sessão do julgamento está agendada para fevereiro.