Internacional

Recém-nascida morre em prisão depois de ajuda ser negada porque "não era uma presidiária"

O caso aconteceu numa prisão de alta segurança feminima na Austrália.

Um bebé de duas semanas morreu uma prisão feminina, na Austrália, depois de o staff ter negado, alegadamente, ajuda à criança, por esta não ser “uma presidiária”.

A criança terá sido deixada inconsciente durante 30 minutos no Centro Dame Phyllis Frost, que é uma prisão de alta segurança onde as crianças podem viver com as mães até aos seis anos de idade. Uma presidiária terá tentado fazer manobras de reanimação cardiorrespiratória até a enfermeira responsável chegar, meia hora depois de a criança ter ficado incosnciente.

Uma investigação será aberta na prisão feminina de alta segurança, depois de o staff ter sido acusado de ignorar os gritos “histéricos” da mãe, que segundo o Mirror, era vietnamita.

A unidade “Corrections Victoria”, que gere o estabelecimento prisional, já disse que o local “respeita os padrões para o alojamento seguro e protegido das crianças, atendendo ainda às necessidades nutricionais, de desenvolvimento e de saúde da criança”. A unidade, que faz parte do Departamento da Justiça, acrescentou ainda que uma enfermeira visita regularmente a prisão de forma que a saúde das crianças esteja assegurada.