Politica

Dirigente que bateu com a porta é candidato ao tribunal do PSD

Paulo Colaço saiu do conselho de jurisdição nacional do PSD em janeiro de 2019 em rota de colisão com presidente do conselho nacional, Paulo Mota Pinto.

Paulo Colaço, ex-membro do conselho de jurisdição nacional do PSD, é candidato à presidência do conselho de jurisdição nacional do PSD no congresso que se realiza em fevereiro, em Viana do Castelo.

O ex-membro do conselho de jurisdição irá apresentar uma lista de candidatura ao ‘tribunal’ dos sociais-democratas no congresso que se realiza entre os dias 7 e 9 de fevereiro de 2020.

“Em janeiro desde ano foi pública a minha demissão deste órgão, motivada pela lamentável conduta do presidente da Mesa do Conselho Nacional. Uma conduta que mereceu a “apreciação negativa” do próprio CJN ( Conselho de Jurisdição Nacional)”, começa por recordar o militante, em comunicado. Em causa esteve a aceitação da votação por voto secreto, ou braço no ar, da moção de confiança a favor do presidente do PSD, Rui Rio.

Na altura, num conselho nacional muito participado, o conselho de jurisdição nacional entendeu que a votação da moção poderia ser feita por voto secreto, após um requerimento de um décimo dos conselheiros. O presidente da mesa do conselho nacional, Paulo Mota Pinto, recusou o parecer do conselho de jurisdição e os seus membros acabaram por abandonar o conselho nacional. Vingou o voto secreto porque Rui Rio anuiu à proposta.

Porém, o processo teve sequelas. Paulo Colaço (que até era um apoiante de Rio) renunciou ao cargo para o qual tinha sido eleito e pediu a destituição de Paulo Mota Pinto.

Agora, um ano volvido, Paulo Colaço voltará a concorrer ao Conselho de Jurisdição Nacional tal como o fez há dois anos.

Em comunicado, o militante recorda as suas credenciais: “As minhas ‘credenciais’ para esta candidatura são uma experiência de oito mandatos no CJN; o espírito de missão com que sempre os exerci; e a absoluta imparcialidade que – creio – me é amplamente reconhecida no PSD.” Há dois anos ficou a 40 votos de liderar o CJN do PSD.

O candidato conta com os apoios dos dirigentes do PSD no seu concelho ( Rio Maior) e do presidente da distrital de Santarém, João Moura.

Na sua candidatura, Paulo Colaço promete legalidade,equidistância e coragem “face aos diversos interesses habitualmente em jogo num partido político”, e sob o lema a “coragem de dar a razão a quem a tem”.