Internacional

Casal vivia com centenas de gatos vivos e mortos em casa

 Alguns dos animais mortos eram colocados em geleiras.

Um casal é acusado de maus-tratos contra animais, depois das autoridades encontrarem centenas de gatos a viver em condições deploráveis na casa de família, em Maryland, nos Estados Unidos.

Garriot Cox, de 53 anos, e Pamela Arrington, de 51 anos, foram constituídos arguidos no passado dia 4 de novembro, semanas depois das autoridades encontrarem na habitação um total de 74 gatos mortos e 150 gatos vivos. A investigação começou depois de uma queixa sobre uma associação do casal chamada Colony Casts of Bird River, que alegadamente servia para identificar, esterilizar e libertar gatos sem dono, com o objetivo de controlar a população de gatos vadios.

De acordo com a estação televisiva WJZ-TV, embora esta fosse uma organização sem fins lucrativos, o casal nunca tinha recebido uma licença para que esta pudesse funcionar.

Durante uma primeira busca, a 9 de outubro, as autoridades encontraram 76 gatos vivos e 15 gatos mortos numa garagem. Além de pilhas de lixo, havia dezenas de gaiolas e cada uma tinha entre um a cinco gatos, cujos dejetos não eram limpos.

Nessa altura, os gatos resgatados apresentavam conjuntivite, leucemia, úlceras, e infeções respiratórias. Alguns dos gatos encontrados mortos estavam dentro de geleiras em diferentes estados de decomposição.

Mais tarde, numa segunda busca, a 17 de outubro, foram encontrados 74 gatos vivos e 59 gatos mortos. Além dos gatos, as autoridades encontraram ainda um pássaro e dois cães vivos no quarto do casal. Na casa estava ainda um outro animal morto, que a polícia não conseguiu identificar.

Os animais andavam livremente pela casa, que estava coberta de fezes e de lixo.

Alguns dos 150 gatos resgatados acabaram por morrer desde o resgate. O casal encontra-se em liberdade.

Esta segunda-feira, a polícia revelou que os suspeitos estão a tentar recuperar os gatos que foram resgatados.