Sociedade

Médicos de família aconselhados a apresentar minutas de exclusão

Conselho é dado pelo Sindicato Independente dos Médicos.

O Sindicato Independente dos Médicos acusa o Agrupamento de Centros de Saúde de Almada-Seixal de tentar obrigar os médicos de família a “a trabalho extraordinário superior ao limite legal diário durante a semana”. Uma situação que, lembra, surge depois de “o Hospital de Setúbal tentar impor aos médicos que ultrapassem o limite legal anual de horas extraordinárias”. E lembra que “um serviço hospitalar tem um conjunto de médicos especialistas e meios complementares de diagnóstico e de intervenção que os centros de saúde não têm”.

“De um dia para o outro pretendem impor, sem acordo dos médicos, 4 horas de trabalho depois de uma jornada de trabalho normal e ainda aos fins de semana, em consequência do encerramento da Urgência Pediátrica noturna do Hospital Garcia de Orta”, denunciou o sindicato, acrescentando que existe a intenção de “generalizar a prática a todo o país já que o Governo nada está a fazer para resolver os múltiplos problemas de rotura iminente”.  

Referindo que é evidente a falência da propaganda de que nunca existiram tantos médicos, o sindicato aconselha mesmo os médicos seus associados “a apresentar as minutas de exclusão de responsabilidade por exiguidade de meios”.