Internacional

Empate técnico nas presidenciais do Uruguai

O candidato da direita, Luis Lacalle Pou, só conseegui mais 1,2% dos votos que o candidato da esquerda, Daniel Martínez, obrigando a uma recontagem dos votos.

A segunda volta das eleições presidenciais no Uruguai terminou com um supreendente empate técnico. O candidato da direita, Luis Lacalle Pou teve apenas mais 1,2% que o candidato da esquerda, Daniel Martínez, do Frente Ampla, partido do antigo Presidente José Mujica, que governa o país há 15 anos. A proximidade dos resultados obriga a que o Tribunal Eleitoral examine todos os votos para declarar um vencedor - algo que deverá fazer até esta quinta-feira.

Todas as sondagens davam ampla vantagem à coligação encabeçada por Lacalle Pou, com pelo menos mais 5% de vantagem nas intenções de voto. Tudo mudou nas vésperas das eleições, marcadas pelo apoio recebido por Lacalle Pou da parte do general Manini Ríos, conhecido saudosista da ditadura militar uruguaia, que apelou em vídeo ao voto dos soldados. 

Não ajudou ao clima de tensão a alegada tentativa de dois homens de entrar numa fábrica de explosivos, durante a campanha. Uma “operação para alterar o clima eleitoral, executada por setores nostálgicos do passado”, disse o ministro da Defesa, José Bayardi.