Internacional

Afinal o que é um Brexit dos trabalhistas?

«O que queremos saber é qual é o seu plano para concretizar o Brexit», respondeu o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, confrontado com o manifesto dos trabalhistas, liderados por Jeremy Corbyn. No documento, a secção dedicada ao assunto central da política britânica nos últimos anos é relegada para a página 89. O foco do documento é «reescrever as regras da economia britânica», uma aposta de alto risco, numa campanha em que quase todos os partidos se dedicaram a discutir sobretudo o Brexit: o manifesto dos Liberais Democratas dá pelo nome de ‘Stop Brexit’ e o rival dos conservadores à direita chama-se Partido do Brexit.

Já os trabalhistas prometem negociar um novo acordo de saída da União Europeia em três meses, que inclua uma união aduaneira, garanta regulações ambientais e laborais e dê direito automático aos cidadãos europeus de ficar no país - e querem referendá-lo em menos de seis meses. «Se um Governo britânico quiser discutir uma união aduaneira com a UE, ou um alinhamento mais próximo com o mercado único, é algo a que sempre estivémos abertos», disse o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar.

Contudo, a posição de Corbyn é vista como uma tentativa de apelar tanto aos eleitores que querem sair como aos que querem ficar na UE - nem sequer disse em que votaria no caso de um segundo referendo. «É o povo britânico que tomará essa decisão», declarou no debate de líderes.

Entretanto, o seu partido continua fortemente dividido - e os eleitores trabalhistas que mais fortemente se opõem ao Brexit podem acabar por optar pelos Liberais Democratas, liderados por Jo Swinson, que garante: «Os trabalhistas e os conservadores não conseguem oferecer ao país um futuro melhor por que ambos querem o Brexit».

Contudo, o sustentado crescimento eleitoral dos Liberais Democratas, acusados de serem um partido de assunto único, parece ter esbarrado no ‘voto útil’. Desde que foram convocadas eleições, há menos de um mês, os dois principais partidos cresceram ambos 4% nas intenções de voto, de acordo com o Politico, coincidindo com a quebra dos Liberais Democratas e do Partido do Brexit.