Sociedade

PISA 2018. O retrato dos alunos portugueses

Relatório fez um retrato do ambiente nas escolas 

O relatório trienal do PISA (Programme for International Student Assessment) foi divulgado esta terça-feira e para além dos resultados obtidos ao nível da literatura, matemática e ciências, foi ainda realizado um perfil dos alunos. Em Portugal, a maioria dos alunos mostra-se feliz, mas ansioso, social, competitivo, com respeito pelos professores e contra o bullying.

Estes dados sobre o ambiente escolar mostram que apesar da grande maioria dos alunos se sentir satisfeito com a sua vida na escola, cerca de 20% sente receio, medo e ansiedade. Para além disso há ainda uma percentagem significativa (10%) que se sente sozinho nos estabelecimento escolares.

Bullying
O relatório do PISA 2018 revela que "em média entre os países da OCDE 23% dos alunos conta ser alvo de bullying pelo menos uma vez por mês". Entre as principais vítimas deste problema transversal a todos os países participantes constam os rapazes e os alunos com mais dificuldades educativas, especialmente no que toca à leitura. 

Esta questão do bullying tem ainda efeito nos resultados académicos dos estudantes, uma vez que em média, "entre os países da OCDE os estudantes que reportaram ser vítimas de bullying pontuaram menos 21 pontos na literacia do aqueles que não sofrem desta questão".

Em Portugal a percentagem de alunos vítima de bullying pelo menos uma vez por mês (14%) é mais baixa que a média da OCDE, que está fixada nos 23%. 

Acompanhados na escola mas alguns sem amigos
O estudo mostra que 90% dos estudantes se sente acompanhado nos estabelecimentos escolares portugueses e que três em cada quatro consegue fazer amigos facilmente. No entanto, um em cada 10 confessa sentir-se sozinho, percentagem essa que fica abaixo da da OCDE (16%).

O sentimento de pertença à comunidade escolar impera também entre os alunos português, com 89% a acharem que os colegas gostam deles. Contudo há ainda quem se sinta estranho (13%) ou esquisito (21%) no ambiente escolar.

Competitividade e entreajuda de mãos dadas
Em Portugal, mais de metade os alunos (58%) afirma que existe entreajuda entre colegas. Este valor fica abaixo da média da OCDE, que está fixada nos 62%.

Não obstante esta entreajuda entre alunos, 57% dos estudantes portugueses consideram que há competitividade nas escolas e aqui o valor supera a média da OCDE (50%).

Professores entusiasmam alunos
A relação entre docente e aluno é sempre improtante quando se considera o ambiente nas escolas. Segundo o PISA 2018, 83% dos alunos portugueses considera que os professores entusiasmam com a sua forma de ensinar (superior à média da OCDE de 74%), o que segundo o estudo tem efeitos no desempenho dos estudantes nos três domínios avaliados neste teste.

Contudo, o relatório refere ainda que os alunos do ensino privado tendem a sentir com mais entusiasmo a forma como os professores lecionam e ainda que nesse tipo de ensino os professores dão uma maior ajuda extra.

Encarregados de educação afastados das escolas

Mais de um terço (34%) dos encarregados de educação não consegue estar envolvido nas atividades escolares dos seus educandos devido ao seu trabalho e há mesmo três em cada 10 que se queixam de mão poder participar nessas atividades devido à incompatibilidade de horários.

O relatório do PISA explica que são os encarregados de educação com um contexto socioeconómico mais favorável aqueles que tomam mais iniciativa para se envolverem na vida escolar e para discutir as notas dos filhos com os professores.

O PISA 2018 refere ainda que os encarregados de educação portugueses são dos que mais se preocupam com a aprendizagem dos seus filhos de línguas estrangeiras. No entanto, mais que a aprendizagem de uma nova língua, a segurança (97%), um bom ambiente (93%) e a reputação do estabelecimento (92%) surgem no topo das suas preocupações.