Sociedade

Curso de Medicina da UCP chumbado por A3ES

A agência de acreditação chumbou o curso, porém a UCP pediu recurso da decisão.

A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) chumbou a abertura de um curso de Medicina da Universidade Católica Portuguesa (UCP). A informação foi avançada à agência Lusa por Alberto Amaral, presidente da A3ES, que explicou que um dos pareceres é da comissão de avaliação de peritos nomeados pela agência para analisar o processo de abertura do curso e o outro da Ordem dos Médicos, que já se tinha manifestado publicamente contra a abertura do curso.

Alberto Amaral esclareceu ainda que “há uma decisão negativa do Conselho de Administração e há um recurso", que deverá ser analisado e decidido até ao final do ano. “De qualquer maneira a Católica já fez uma nova proposta”, já que, por esperar uma decisão negativa do recurso, a instituição fez uma nova proposta que “vai ser analisada dentro dos prazos normais do próximo ano”, que dizem respeito ao primeiro semestre.

O pedido inicial para a abertura do curso de Medicina na universidade privada foi entregue em outubro do ano passado e esperou mais de um ano pela decisão da agência de avaliação.

A apreciação negativa da A3ES apontava falhas nas questões pedagógicas, como por exemplo, na discordância, por parte da Ordem dos Médicos, em relação a uma disciplina e ao tempo insuficiente de contacto com a prática clínica, em hospitais, explicou Alberto Amaral.

O facto de abertura do curso representar uma terceira formação na área em Medicina na região de Lisboa. "Havia também o facto de ainda não terem investigação suficiente na área, embora a proposta dissesse que pretendiam depois criar um centro de investigação", acrescentou o presidente da A3ES.