Opiniao

Não basta gritar, comecem a plantar

Para captar  o dióxido de carbono, o mais eficaz é plantar árvores que são os melhores ‘soldados’ nessa tarefa.

Representantes de cerca de 200 países estão reunidos em Madrid, na 25.ª Conferência das Partes (COP). O principal objetivo destes encontros é aferir como estão a ser cumpridas as metas mundiais estabelecidas para contrariar as alterações climáticas, particularmente na redução de emissões de gases de efeito de estufa. O acumular de evidências recolhidas pela comunidade científica mundial confirma que estes gases, particularmente o dióxido de carbono, provocam a subida das temperaturas médias, que traz consigo a irreversível desfiguração do nosso planeta.

Hoje, mesmo para os mais desconfiados, é indiscutível que os nossos netos terão menos do que nós, se não mudarmos o nosso modelo de vida. Se nos preocupamos com o futuro dos nossos, temos de mudar de uma vida assente numa economia extrativa para uma economia circular. Isto significa que temos de passar de uma economia que retira do planeta energia, água e outros recursos materiais sem acautelar a sua reposição, deixando para trás resíduos inutilizáveis, para uma economia onde todos os materiais são reutilizáveis e todos os recursos renováveis. 

Os desentendimentos que se levantam nestas cimeiras mundiais entre os países mais ricos e os mais pobres, entre os que defendem a comunidade científica e os desconfiados, entre os que ditam o fim de setores inteiros da economia sem planos para os trabalhadores desses setores e os que se preocupam com os trabalhadores, só sublinham a dificuldade de coordenar esforços entre 200 nações, com 200 culturas e 200 regimes políticos, limitando a ambição necessária para que a mudança seja justa, mas rápida. Apesar de todos sabermos qual deve ser  o caminho, a grande revolta dos jovens que gritam nas ruas é os adultos não estarem a mudar com a velocidade necessária.

Os jovens estão revoltados porque já perceberam que lhes vamos deixar um planeta em pior estado do que nos deixaram a nós. Goste-se ou não da mensagem, a verdade é que os jovens têm razão. A menina sueca, Greta Thunberg, que passou por Lisboa, é apenas uma destas jovens revoltadas. Há muitas outras figuras populares no YouTube, Reddit, Twitter que, apesar de terem menos cobertura dos media tradicionais, lançam desafios até mais consequentes.

As árvores são os nossos melhores soldados no desafio da captura de dióxido de carbono; logo, uma das mais eficientes maneiras de combater é plantando. Em maio de 2019, os seguidores do youtuber MrBeast sugeriram que plantasse 20 milhões de árvores para celebrar o alcance de 20 milhões de subscritores. MrBeast convocou a Arbor Day Foundation, uma ONG cujo objetivo é plantar, e lançou o desafio #teamtrees. Por cada dólar doado, será plantada uma árvore em zonas do planeta que necessitem pela Arbor Day Foundation. Juntaram-se a MrBeast muitos outros youtubers e vários empresários, como Elon Musk. De maio para cá já juntaram verba para plantar 17.392.097 árvores, através de donativos.

A mensagem do desafio #teamtrees deve ser amplificada por todas as gerações e por todos os media. Não basta gritar, comecem a plantar.