Sociedade

Assaltos violentos em parque de Lisboa causam alarme na população

Grupos atuam após o anoitecer no parque da Quinta das Conchas e usam navalhas e facas para ameaçar e roubar. 

“Estava a passear, tranquilamente, com a minha filha quando dois indivíduos nos abordaram de repente. Um agarrou-me, por trás, e encostou logo uma navalha ao meu pescoço. O outro agarrou a minha filha para a não deixar fugir. O que me estava a ameaçar gritou: ‘passa para cá tudo’”. O relato, feito ao i por T. C., é apenas um dos episódios incluídos na onda de assaltos violentos que tem assolado o parque da Quinta das Conchas,  no Lumiar, em Lisboa, ao longo das últimas quatro semanas.

Só neste período há a denúncia de, pelo menos, nove assaltos, que se vêm desenrolando seguindo o mesmo padrão. Os assaltantes atuam em grupos de dois ou mais elementos, sempre de cara tapada, coagindo fisicamente as vítimas com recurso a navalhas e facas, de forma muito violenta e rápida. De seguida, colocam-se em fuga a pé, utilizando uma das várias portas de acesso ao parque. Os ladrões têm levado vários pertences, nomeadamente telemóveis e carteiras.
A situação tem causado alarme junto da população que frequenta habitualmente o espaço – onde se contam muitas famílias e menores de idade – merecendo atenção redobrada por parte das autoridades. Embora o parque da Quinta das Conchas esteja sob jurisdição da esquadra de Telheiras da PSP, a Polícia Municipal de Lisboa optou por aumentar a vigilância no terreno, através da sua unidade da polícia florestal, mantendo no local agentes em permanência nos períodos de menor visibilidade.

Ao i, a vítima de um dos assaltos, que prefere manter o anonimato, conta que é “residente no Lumiar e frequentador assíduo do parque, já há muitos anos, e que nunca nada do género tinha acontecido”. T. C. encontrava-se com a sua filha, de apenas 12 anos, quando a dupla o agarrou e obrigou, sob ameaça de um objeto cortante, a entregar tudo o que tinha. O episódio resultou apenas num grande susto. “Foi tudo muito rápido e violento. Acabaram por levar o meu telemóvel e o telemóvel da minha filha”.  T. C. chamou de imediato a polícia, que ainda tentou localizar os autores do roubo nas imediações do parque, embora sem sucesso. “Os assaltantes pareceram-me muito jovens, pela forma de atuar e de falar, mas tinham os rostos tapados e eu tinha uma navalha encostada ao pescoço. Não foi possível perceber muito bem”, relata.

Numa mancha verde de 26 hectares – a segunda maior da capital depois de Monsanto –, a estratégia dos assaltantes passa por atuar após o anoitecer, intercetando indivíduos em zonas mais isoladas, normalmente junto à zona norte do parque, onde existe uma mata e a vegetação é mais densa. A PSP está a investigar, mas até ao momento não identificou ou deteve qualquer suspeito.

Presidente da Junta está “atento à situação”  Contacto pelo i, o presidente da Junta de Freguesia do Lumiar, Pedro Delgado Alves, confirmou as ocorrências: “Nos últimos dias temos, de facto, recebido vários alertas e na última semana já nos chegaram três queixas de assaltos”. O autarca afirma estar “atento à situação”, mas remete o caso para as autoridades competentes que, neste momento, investigam esta onda de assaltos. Estas ocorrências acontecem há quatro semanas, algo que Pedro Delgado Alves classifica como “bastante atípico” na freguesia. “Esperemos que seja apenas uma situação pontual e que seja rapidamente resolvida”, refere o autarca.

Os números da criminalidade em Portugal desceram em 2018, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística. A análise anual à taxa de criminalidade situou-se, neste período, nos 32,4 crimes por mil habitantes, contra os 33,2 verificados em 2017. Apesar da tendência de queda, a taxa de criminalidade no município de Lisboa continua bem acima do dobro da média nacional, situando-se em 2018 nos 75,6 crimes por mil habitantes.