Internacional

Mulher esfaqueou o marido até à morte em frente aos filhos porque achava que ele era homossexual

“Eu sou o diabo. Deus fez-me assim”

Uma mulher é suspeita de esfaquear o marido até à morte à frente dos três filhos pequenos, no Estado do Nevada, Estados Unidos. A mulher alega que cometeu o crime porque o marido era homossexual e transmitiu VIH a um dos filhos.

O caso ocorreu no último sábado. A polícia de Las Vegas foi chamada a um hotel, depois de três crianças dizerem aos funcionários que o seu pai, Johnny Franklin, de 50 anos, estava ferido e a sagrar das pernas. Uma  médica ligou para o quarto e conversou com a suspeita, Octavia Carter, de 40 anos, que disse que o marido estaria “provavelmente” a respirar, mas que não tinha a certeza.

“A mamã estava a apertar o papá com muita força e esfaqueou-o", terá dito um dos filhos do casal, de 11 anos, a um dos socorristas, de acordo com documentos policiais, citados pela imprensa norte-americana.

Os paramédicos que responderam à emergência encontraram a vítima, já sem vida, no chão ao lado da cama, coberta de sangue. Segundo o relatório da polícia, o homem foi esfaqueado várias vezes no peito e sofreu uma laceração no pescoço.

A mulher terá admitido aos paramédicos que tinha matado o marido. “Eu sou o diabo. Deus fez-me assim”, disse a suspeita repetidamente.

O filho mais velho garantiu às autoridades que os pais estavam “a discutir há meses”.

As crianças, que têm entre 8 e 11 anos, não sofreram ferimentos e estão sob custódia dos Serviços de Proteção à Criança.