Internacional

Familiares que morreram em piscina em Málaga não sabiam nadar

O caso ocorreu na véspera de Natal. 

O Instituto de Medicina Legal de Málaga concluiu que o homem e os dois filhos menores, encontrados mortos numa piscina de um hotel, em Málaga, Espanha, não sabiam nadar. Gabriel Diya, de 52 anos, e os filhos Praise Emmanuel e Comfort, de 16 e 9 anos morreram na véspera de Natal, 24 de dezembro, enquanto estavam de férias no Club La Costa World e foram encontrados por volta da 13h30, pela mãe das crianças, que se encontrava noutro local com outro filho do casal.

Segundo avançou o El País, a autópsia realizada esta quarta-feira concluiu que os três indivíduos tinham morrido afogados e não tinham sofrido nenhuma lesão ou intoxicação. Os resultados do Instituto Nacional de Toxicologia de Sevilha ainda não são conhecidos, no entanto, uma das filhas de Gabriel Diya terá confirmado que os familiares não sabiam nadar. 

Segundo foi noticiado pelos jornais locais, a menina de nove anos teve dificuldades enquanto estava na piscina e o pai e o irmão tentaram socorrê-la, no entanto acabaram por não conseguir.

O hotel afirmou também, esta quinta-feira, que a Guarda Civil "levou a cabo uma investigação completa" à piscina, a partir da qual se pode concluir que "a piscina cumpre todos os requisitos", avançou a agência Efe. "Tudo isto confirmaria que se tratou de um acidente trágico, que nos causou grande comoção", lê-se no comunicado.