Economia

Compra da TVI pela Cofina ainda está por fechar

Os 10 dias úteis para a Concorrência anunciar a decisão final já passaram mas ainda há requisitos a cumprir. Entretanto, acionistas da Prisa vão votar a venda. 

 

Os 10 dias úteis para que a Autoridade da Concorrência desse o aval final sobre a compra da Media Capital por parte da Cofina já terminaram, mas ainda não há decisão. O objetivo, durante esse tempo, era que as empresas que se constituíram contrainteressadas -  Impresa, Meo, NOS, Vodafone e Global Media Group -, apresentassem argumentos que contestassem o projeto de decisão da AdC. Mas a decisão final ainda não foi divulgada porque «os comentários dos contrainteressados em sede de audiência ainda têm de ser incorporados», explicou a Concorrência ao SOL. Fica assim por saber quando será divulgada a decisão final, estando a concretização do negócio em stand-by.

Entretanto, a venda da Media Capital à Cofina deu mais um passo em frente com a Prisa a marcar uma votação de acionistas sobre o negócio. A assembleia-geral que decidirá a venda de 95% da dona da TVI está agendada para o próximo dia 29 de janeiro. Em comunicado enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola, a Prisa explica que, caso não exista quórum suficiente nesse dia, a votação decorrerá no dia seguinte. No mesmo dia, o conselho de administração da Cofina agendou uma reunião magna onde os acionistas irão dizer se aprovam o aumento de capital até 85 milhões de euros, como foi proposto em setembro.

 

Negócio baixa 50 milhões

Durante esta semana a Cofina anunciou ter acordado com a Prisa a redução do preço de aquisição da Media Capital em 50 milhões de euros, segundo um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Esta redução do preço foi feita através de um aditamento ao contrato de compra. O preço de aquisição é agora de 123,29 milhões de euros, que somado à dívida da Media Capital resulta num entreprise value de 205 milhões de euros, refere o comunicado.

A redução agora comunicada corresponde a 50 milhões de euros face aos 255 milhões de euros que tinham sido comunicados em 21 de setembro, altura em que a Cofina anunciou ter chegado a acordo com a Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital.

O comunicado adianta ainda que «o preço máximo por ação da Media Capital previsto resultante do Contrato de Compra e Venda corresponde, agora, a 1,5406 euros (por contraposição ao montante de 2,1322 euros, divulgado no anúncio preliminar da Oferta)».

 

Judite critica desvalorização

Nas redes sociais, e sem nunca referir a Media Capital ou da Cofina, a ex-diretora-adjunta de informação da estação de Queluz de Baixo, Judite Sousa, criticou a desvalorização do negócio. «À margem da quadra, soubemos hoje que num curto período de tempo, um negócio na área dos media foi desvalorizado em 50 milhões de euros», começou por elucidar a jornalista, que garante que se tiram daqui algumas conclusões: «Nem todos os fins justificam os meios; há decisões que se não tivessem sido tomadas no seu devido tempo também elas estariam fortemente desvalorizadas hoje; finalmente em algumas áreas temos sempre que aprender com os que sabem mais e melhor do que nós», escreveu, deixando críticas no ar:  «Mas isso só está ao alcance dos competentes e seguros das suas convicções não sustenta das em preconceitos».