Vida

Ex-mulher de Hulk quebra silêncio acerca da relação da sua sobrinha com o jogador

Através dos advogados, Iran Ângelo garantiu que "jamais poderá compactuar com a exposição mediática".

Iran Ângelo, ex-mulher de Hulk, que jogou no FC Porto, quebrou o silêncio acerca da polémica em que o seu ex-marido e a sua família têm estado envolvidos depois de o jogador ter assumido uma relação com Camila Ângelo, sobrinha da ex-mulher.

Iran e Hulk estiveram casados durante 12 anos e têm três filhos. Apesar de o processo de divórcio ter sido discreto, tendo o jogador oferecido metade das suas propriedades à ex-mulher e uma quantia que rondou os 20 milhões de euros – que esta não aceitou –, a separação não está a ser fácil. Depois de assumirem a relação e Camila ter escrito uma carta aberta para a tia, onde explicava como as coisas tinham acontecido – garantido que nunca tinha acontecido nada enquanto estes eram casados –, Iran quebrou o silêncio e dito à imprensa brasileira que a família está devastada com tudo o que aconteceu. Através de uma nota divulgada pelos seus advogados, a ex-mulher do futebolista lamenta a falta de respeito depois de um casamento que durou 12 anos.

"Lamenta-se profundamente que o Sr. Hulk, não satisfeito em ter dado causa à derrocada de um casamento de mais de 12 anos, não tenha respeitado a dor daquela que sempre lhe devotou amor, carinho, respeito e consideração, bem como dos filhos menores do extinto casal, cujos supremos interesses deveriam ser pelo pai preservados", lê-se na nota. Iran critica ainda o facto de Hulk ter divulgado detalhes do fim do casamento e dos termos do divórcio.

"A Iran jamais poderá compactuar com a exposição mediática dos motivos que culminaram no término do relacionamento e dos termos impostos pelo Sr. Hulk para a formalização de uma 'solução consensual' das questões correlatas ao divórcio, todas as quais deveriam ter permanecido confinadas no âmbito familiar", acrescentam os advogados, em comunicado.

A ex-mulher pede ainda privacidade neste momento, garantido que não se vai pronunciar sobre qualquer tema que não esteja a ser discutido judicialmente.