Internacional

Irão ataca duas bases norte-americanas no Iraque com mísseis

É a prometida "vingança" iraniana pelo assassinato do general iraniano Qassem Soleimani em Badgade na semana passada. Ao início da madrugada de terça-feira, não havia registo de vítimas mortais, segundo o Pentágono.

O Irão lançou lançou uma dezena de mísseis sobre duas bases militares norte-americanas,de acordo com o Pentágono. Foi atingida a base aérea Al-Asad, na província de Anwar, no oeste do país, e Erbil, no Curdistão.

No caso de Erbil, a cidade foi atingida com pelo menos dois mísseis, avançou a CNN. A base foi atingida por um deles, que não explodiu, e outro caiu a cerca de 33 quilómetros de distância, sem causar mortos, segundo o canal norte-americano.

O ataque é uma retaliação pelo assassínio do general iraniano Qassem Soleimani, morto por drones norte-americanos, perto do aeroporto de Bagdade, a semana passada - os media iranianos apelidaram-no de operação "Mártir Soleimani". No precisa momento dos ataques, o general estava a ser enterrado, acrescentaram. Soleimani era considerado o número dois do regime - logo abaixo do Supremo Líder, o aiatolá Khamenei e acima do Presidente Hassan Rouhani.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reuniu-se de imediato com Secretário da Defesa, Mark Esper, na Casa Branca. Às 1h e 40 da manhã (hora portuguesa), a CNN avançou que Trump só falará aos cidadãos depois de serem avaliados os danos dos ataques, e não na noite desta terça-feira, como foi inicialmente avançado.

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, declarou: "Não queremos uma escalada ou guerra". Exatamente o mesmo que garantiu o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, logo após o assassínio de Soleimani.

“Há um risco enorme de uma escalada assustadora. Se estes ataques resultarem num grande número de baixas, a tentação do Presidente, dada a sua natureza, será adotar uma resposta mais dramática", declarou John Hendren, correspondente da Al Jazira em Washington. "O Irão já fez um aviso em relação a isso e lançará certamente  uma nova série de ataques retaliatórios", acrescentou. "Estamos num lugar muito perigoso”

Entretanto, a agência norte-americana encarregue da aviação restringiu todos os voos civis de operar sobre o Iraque, Irão, Golfo Pérsico e o Golfo de Omã. De acordo com a CNN, a Guarda Revolucionária iraniana ameaçou responder dentro dos Estados Unidos, caso estes retaliassem o ataque com mísseis.

Ainda não se sabe quantos poderão sido mortos no ataque iraniano, mas é possível que se tenham perdido vidas norte-americanas.

Recorde-se que ainda esta semana Trump ameaçou bombardear 52 alvos "significativos para os iranianos e para a cultura iraniana", caso o Irão atacasse bases militares norte-americanas. Já o Irão, na altura, falou em "13 cenários de vingança".

Algo que poderá desencadear muito bem uma guerra, e extender-se a todo o Médio Oriente. O Irão tem satélites por toda a região, do Hezbollah no Líbano, ao regime sírio de Bashar Al Assad, passando pelas milícias xiitas iraquianas e pelos rebeldes houthis no Iémen. 

Notícia atualizada às 01h 54