Internacional

Influencers estão a promover antibióticos como simples produtos e preocupam autoridades de saúde

Casos em Espanha estão a aumentar.

El País
DR

As autoridades de Saúde espanholas estão em alerta, depois de um produto farmacêutico, que precisa de receita médica, aumentar substancialmente as suas vendas depois de ter sido amplamente divulgado nas redes sociais pelos chamados influencers.

De acordo com o El País, o produto em causa chama-se Eridosis e trata-se de um antibiótico, usado para combater o acne, e que necessita de receita médica para ser comprado. No entanto, o medicamento tem sido divulgado e promovido como um simples produto para limpeza de pele. Embora a publicidade destes produtos seja proibida por lei, influencers com milhares de seguidores utilizaram as suas páginas para os publicitar.

Anteriormente, já através do Twitter, um farmacêutico tinha alertado para estes casos. Guillermo Martín Melgar já denunciou, além de Eridosis, vários medicamentos que têm sido publicitados nas redes sociais como se fossem jogos ou livros – como foi o caso de Muripocina, uma pomada usada para tratar infeções.

O Ministério da Saúde espanhol já reagiu e encontra-se a trabalhar com a plataforma para tentar remover estes conteúdos, embora a maior dificuldade se encontre no facto de muitos vídeos já não estarem disponíveis.

Ana López-Casero, que faz parte do Conselho Geral dos Colégios de Farmacêuticos de Espanha, comentou o assunto e refere que o principal risco é o desconhecimento do público.

"Muitas pessoas julgam que se trata de mais um produto de consumo, como roupa ou um disco, mas não é isso, é um bem de saúde. Não queremos criminalizar estes "influencers". De certeza que não o fizeram por mal. Mas as regras de publicidade para um fármaco são muito restritas", explicou.

As autoridades alertam ainda que, além do risco de causar problemas de saúde, a má utilização destes produtos farmacêuticos pode criar resistência contra bactérias.