Sociedade

Governo reforça apoio a portugueses em Wuhan e admite retirá-los

Além da China, já são 12 os países com casos confirmados.

O Governo garantiu, este sábado, que está em contacto com os portugueses que se encontram em Wuhan, o epicentro do novo coranvírus, e encontra-se a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram na cidade chinesa.

"Estamos em contacto com os cidadãos e a cooperar com outros países europeus para procurar reforçar o apoio aos compatriotas portugueses retidos [em Wuhan], "  disse fonte do gabinete da secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, em declarações à agência Lusa.

De acordo com a mesma fonte, há a possibilidade de retirar os portugueses de Wuhan "se isso for viável à luz das regras de saúde pública".

O Governo tinha indicado à mesma agência noticiosa que foram identificados 20 portugueses que são residentes naquela cidade ou que se encontram em visita. Agora, segundo o gabinete governamental, dessas duas dezenas de cidadãos, “14 pessoas estavam já registadas como residentes em Wuhan junto da embaixada de Portugal em Pequim".

A mesma fonte diz ainda que a embaixada portuguesa continua "a monitorização atenta de todos os desenvolvimentos, através do diálogo com as autoridades governamentais chinesas, com a delegação da União Europeia na China e com as embaixadas de outros países, tendo também participado em reuniões com representantes da Organização Mundial de Saúde na China".

Recorde-se que de acordo com o último balanço das autoridades chinesas, o vírus já matou 41 pessoas e infetou mais de 1.300 em vários países.

O vírus chegou à Europa, depois de na sexta-feira a França confirmar três casos no país. Assim, além da China, já são 12 os países com casos confirmados:  França, Japão, Singapura, Estados Unidos, Vietnam, Arábia Saudita, Nepal, Taiwan, Tailândia, Austrália e Malásia.