Internacional

Passageiro apresenta queixa contra Ryanair depois de ser obrigado a pagar 110 euros por cadeira de rodas

Homem afirma ter sido insultado e acusado de se aproveitar da sua incapacidade para seu benefício. "Disseram à minha companheira que devia ter vergonha do que estava a fazer”, acusa. 

Pau Marc Muñoz apresentou uma queixa contra a Ryanair, depois de ter sido obrigado a pagar 110 euros para utilizar uma cadeira de rodas. O catalão de 44 anos diz que o tratamento da companhia aérea foi “humilhante”, em declarações ao jornal La Vanguardia.

O caso ocorreu no dia 27 de dezembro de 2019. O homem que sofre de paralisia cerebral e tem problemas de fala tem como hábito recorrer a uma cadeira de rodas nos aeroportos, com o intuito de não se cansar tanto. No aeroporto de Barcelona, antes de viajar para Viena com a companheira, decidiu fazer o mesmo, nunca esperando o resultado. Muñoz afirma ter sido insultado e acusado de se aproveitar da sua incapacidade para seu benefício. "Disseram à minha companheira que devia ter vergonha do que estava a fazer”, acusa. 

O homem não tinha solicitado a cadeira de rodas quando fez o check-in online, o que levou a Ryanair a exigir-lhe o pagamento de 110 euros pela cadeira, apesar de este estar dentro do limite para fazer o pedido - duas horas antes do voo. Muñoz alegou que tentou diversas vezes solicitar a cadeira online, no entanto o site dizia-lhe que este se deveria dirigir a um balcão para efetuar o pedido. "Quando tens um problema na fala, como é o meu caso, nem te escutam. E desprezam-te”, afirmou. 

A Ryanair já reagiu à situação e diz ter entrado em contacto com o passageiro e ter pedido desculpa pela situação e pelo tratamento dos funcionários da companhia aérea, tendo devolvido o montante pago pela cadeira a Muñoz.