Opiniao

A febre do Tik Tok

Para quem tem miúdos e teenagers por perto, o Tik Tok faz parte do dia-a-dia e chega mesmo a ser alvo de discussões tal é a dependência desta app e o protagonismo que assume lá por casa. São raros os pais de adolescentes ou pré-adolescentes que não se queixam que eles passam o dia agarrados ao Tik Tok, não compreendendo muitas vezes o apelo que ali existe.

Para quem está mais out, o Tik Tok é atualmente a app gratuita com mais downloads e mais não é do que uma plataforma para vídeos a cantar e a dançar em registo ‘lip sync’, dando origem a vídeos divertidos, descontraídos, verdadeiros, com mais ou menos produção. 

Falamos de vídeos curtos que conseguem assim garantir uma maior atração e que vai rodando conteúdos de forma mais rápida e orgânica. 

Num registo que pretende mostrar a realidade e conquistar por esta autenticidade, todos seguem as estrelas do Tik Tok – vejam-se muitas filhas de celebridades que contam com os cameos dos seus progenitores para garantir ainda mais fãs – e todos se sentem criadores, escolhendo as suas próprias músicas, mímica e danças. 

O facto de ser gratuito e tão engaging deu asas a este sucesso e fez com que o crescimento da app seja incrível e comece a evoluir de uma geração mais nova para uma geração um nadinha mais velha – ainda que de forma residual. 
Segundo os últimos dados o Tik Tok chega a 500 milhões de utilizadores ativos todos os meses. Um número impressionante que comprova a importância desta nova rede social e a oportunidade que também se adivinha aqui para marcas e marketeers.

Outro dos fatores de sucesso é de facto a possibilidade de as pessoas se assumirem como criadoras dos seus conteúdos, concretizando uma das tendências mais atuais e revolucionadoras da nossa relação com conteúdos, e consequentemente marcas.

Quando todos somos produtores e difusores de conteúdos, como nos posicionamos? O que queremos ver? O que valorizamos e procuramos, tendo em conta que deixamos de ser observadores passivos e passamos a ativos criadores? (e aqui não só no Tik Tok, mas nas mais variadas redes sociais onde projetamos a nossa vida a e a nossa imagem). 

Tendo em conta o sucesso desta app junto da geração Z rapidamente as marcas começaram a querer saber como poderiam aparecer e assim estar perto de um target nem sempre muito fácil de atingir. 

Já existem algumas possibilidades e formatos disponíveis para as marcas, ainda que tudo esteja ainda numa fase muito embrionária e de teste para que os utilizadores não se sintam invadidos e comecem a procurar outros espaços para se expressarem e criarem.

Independentemente de quais as possibilidades é fundamental estar atento a todos estes fenómenos, perceber como se comunica e o que valorizam estes jovens que são os adultos de amanhã e que seguramente terão uma relação entre eles e com o mundo que os rodeia muito distinta do que hoje vemos. 
Perceber estes fenómenos é projetar o futuro, vivendo no presente e assumindo o nosso papel em tudo o que está a acontecer.

*Diretora Criativa Havas Sports & Entertainment

BUDWEISER
Americanos típicos… 

Estamos já em contagem decrescente para um dos maiores eventos televisivos – e publicitários – dos EUA, o Superbowl, que se realiza já no próximo domingo, dia 2 de fevereiro, em Miami. Com a transmissão televisiva a registar quase sempre as maiores audiências do ano, o Superbowl é escolhido por muitas marcas para o lançamento de campanhas e apresentação de grandes filmes. A Budweiser é uma das marcas que garante sempre presença e foi a primeira a divulgar o seu filme para este ano, uma compilação de muitos momentos marcantes, com algumas imagens que se tornaram virais ao longo do ano, e fazendo o paralelo com alguns estereótipos associados aos americanos, em mais um filme Bud marcado pelo patriotismo.

IKEA
Feito para Instagram… 

As redes sociais da Ikea são uma fonte constante de inspiração para muitos consumidores, sendo que na conta de Instagram da marca sueca há verdadeiras estrelas de popularidade. E foi com base em alguns dos artigos mais populares do seu Instagram que, na Bélgica, a Ikea resolveu criar um novo produto, o Müpolash, resultado de uma fusão de alguns dos seus ícones, como a caneca, um pote, um candeeiro e uma estante, e cujo nome resulta da junção das palavras Mug, Pot, Lamp e Shelf. Sem nenhuma utilização possível, além de ser muito ‘instagramável’, a edição especial de apenas 5 Müpolash terá vários destinos – entre os quais o Museu de Design de Gent –, e um dos exemplares poderá ser ganho por quem participe num passatempo realizado, obviamente…, no Instagram da Ikea.

GOOGLE + SPECIAL PROJECTS
Bem estar digital 

Também a Google promove há algum tempo a sua iniciativa de bem estar digital, através de algumas experiências que pretendem ajudar os consumidores a encontrar uma forma equilibrada de se relacionarem com a tecnologia, nomeadamente com os smartphones cada vez mais omnipresentes na vida de todos nós. E é nesse contexto que apresenta agora o Envelope, uma criação do estúdio de design britânico Special Projects, que incentiva os utilizadores a guardar o seu smartphone num envelope fechado, ficando apenas acessíveis algumas utilizações mais simples como fazer ou atender chamadas e tirar fotografias. Uma forma fácil e prática de conseguir algum detox digital.