LifeStyle

‘A ideia de que muita gente morre à fome em África é mentira’

Natural de Vagos (distrito de Aveiro), Gabriel Sarabando começou a viajar por motivos profissionais, a pedido da fábrica de esquentadores onde trabalhava. Hoje é fotógrafo e guia de viagens em Marrocos. 

Desloca-se com regularidade a África, onde em 2018 realizou, na companhia de um amigo (Tiago Fernandes), um périplo de 40 mil quilómetros e quase cinco meses, com partida de Lisboa e passagem por 26 países. Ficou abismado com a paisagem ‘doutro planeta’ na Namíbia, comeu crepes gigantes na Etiópia e jogou basquete num dos bairros considerados mais perigosos de Luanda. As melhores imagens estão reunidas no livro AVolta a África (Seda Publicações). De momento, encontra-se a viajar pela primeira vez com o irmão gémeo André – andando pela casa dos trinta anos, já não brigam como antigamente quando eram miúdos. Conversámos com Gabriel no dia em que partiram os dois para Dacar, no Senegal, para uma aventura que se prolonga pela Gâmbia, Guiné, Costa do Marfim, Libéria e Gana.

Como financia estas viagens? Mesmo gastando pouco dinheiro deve acabar por ficar caro...
Tentamos viajar low-cost. Usamos o couchsurfing [uma rede de hospedagem em que particulares oferecem os seus sofás aos viajantes], pedimos ajuda a portugueses que conhecemos ou que encontramos no caminho e temos patrocínios com que consigo financiar parte das viagens. O resto considero investimento.

Há pouco estava a mostrar-me a ‘farmácia’ que vão levar convosco. O que é que não pode faltar quando se faz uma viagem como a que vão iniciar hoje?
Há que ter alguns cuidados com a alimentação. Eu já apanhei duas gastrites em África porque não costumo levar muitos medicamentos. Desta vez vou levar um protetor gástrico, porque eles usam muitas especiarias, muitos picantes, e o nosso organismo não está habituado. Mesmo assim considero que tenho um organismo forte, porque como de tudo, sempre com os locais, e nunca tive problemas. Mas aconselho a levar sempre um protetor gástrico, um Voltaren [analgésico e anti-inflamatório], Biafine [pomada para feridas e queimaduras] e um paracetamol para as dores.

E quais são as outras coisas essenciais na bagagem?
Tenho sempre uma lanterna comigo. Uma câmara fotográfica também é essencial para fazer o meu trabalho. E uma powerbank para carregar, cabos USB, um telefone com a aplicação maps.me, para ter mapas offline e viajar independente, e água. Em África é preciso muita água. Quanto a roupa, uns calções e uma t-shirt bastam.

Como despertou este interesse por África?
Eu trabalhava como líder de uma equipa numa fábrica de esquentadores, a Bosch Cacia, e, como tinha conhecimento dos aparelhos, há uns anos a fábrica propôs-me viajar em trabalho para alguns países. Fui ao Brasil, à Rússia, à Nova Zelândia. Depois de já ter estado nos quatro continentes pensei: ‘Agora só me falta África’. Quando comecei a pesquisar sobre África e quais os países a visitar, surgiu a oportunidade de me juntar ao Vítor Moniz, um amigo que está em Angola, que tinha um projeto de viagem de Lisboa a Angola de mota. Mas entretanto o projeto começou a alargar e passou a chamar-se Volta a África. Ele convidou-me para fazer parte e fizemos realmente a volta a África, mas de carro. Saímos de Lisboa em fevereiro de 2018 e regressámos em junho, quase cinco meses depois.

Foi fácil conduzir nas estradas africanas?
Eu nunca conduzi, foi o Tiago [Fernandes, arqueólogo, amigo com quem viajou]. Conduzir é relativamente fácil, principalmente porque estávamos a fazer trajetos entre capitais e geralmente as estradas entre capitais são boas. Tivemos alguns problemas na Namíbia – as estradas não têm alcatrão, e isso provocou-nos muitos furos. Chegámos a ter de comprar pneus porque os nossos já tinham sido remendados dezenas de vezes. Os problemas mecânicos que tivemos foram fáceis de resolver. Uma vez o depósito caiu no meio do deserto, com 44 graus. Pusemos cintas a prender, usámos tábuas, pedras e conseguimos pô-lo no sítio, passadas duas horas.

O facto de estar habituado a mexer nos esquentadores se calhar ajudou, não?
Ajudou. Já estava habituado a mexer com ferramentas, com parafusos, tinha alguns conhecimentos básicos. E o português desenrasca bem em qualquer situação. De outra vez ficámos sem travões. Ou melhor, não chegámos a ficar porque detetámos a fuga, então pusemos um alicate de pressão a travar o circuito na roda direita, para não perdermos mais óleo. Embrulhámos tudo com fita cola e fizemos cerca de mil quilómetros assim. Atravessámos os dois Congos com o alicate e só fomos ao mecânico na Angola.

Como preparou essa viagem?
Honestamente, das poucas coisas que fiz foi ir à consulta do viajante. O médico ficou um pouco espantado: ‘Gabriel, estás a dizer-me que vais dar a volta a África, não te consigo dizer de que medicamentos precisas, tens de me dar tempo’. E não fui a uma consulta, fui a cinco porque ele teve que rever a informação para me aconselhar. O certo é que as únicas coisas obrigatórias são o passaporte e a vacina da febre amarela.

E a malária?
Os comprimidos para a malária têm demasiados efeitos secundários e não gostei da sensação, por isso só tomei o primeiro. Nalgumas zonas há muito mosquito, temos de andar sempre com o repelente connosco, e ter alguns cuidados.

Além desses houve outros preparativos?
Fui comprar um colchão e uma tenda – porque as noites são essenciais. Se dormirmos bem, conseguimos andar bem. Era fundamental termos equipamento decente para dormir uma noite confortável. E basicamente foi ler muita informação na internet, perguntar a amigos que estão na Angola e a viajantes o que precisava de ter na mochila.

Andaram por alguns sítios onde imagino que houvesse algum risco. Por exemplo o Mali, que está num momento de tensão, ou a Mauritânia, onde tanto quanto sei há grupos de bandidos...
Na Mauritânia, curiosamente, senti-me sempre seguro. Dormimos em casa de um rapaz que conhecemos lá, através de couchsurfing, nunca vimos qualquer problema, achei até um país bastante acolhedor. No Mali já sentimos alguma tensão porque havia muitas operações stop.

E sentiam que estavam vulneráveis?
Sim. Os militares perguntavam-nos sempre para onde íamos, e dizíamos-lhes que íamos para o Norte, em direção a Djenné e Timbuctu. E eles desaconselhavam de todo, proibiram-nos mesmo: ‘Não passam daqui’.

Como resolveram essa situação?
Na maioria das vezes continuámos. Só percebi o risco que estávamos a correr quando um dos militares que nos intercetou, que falava bem inglês, me disse: ‘Vocês não estão a perceber. Vocês vão ser parados por piratas do deserto que estão vestidos igual a nós, com uniformes militares, vão-vos parar e vão-vos roubar tudo’. Fomos a Djenné, visitámos a vila – fantástico – e não sentimos perigo. Já no dia seguinte dormimos num sítio mais adiante e de manhã, quando abri a tenda, tive um choque porque vi militares da ONU, capacetes azuis, centenas deles em camiões e tanques. Aí percebi que não era definitivamente o melhor sítio para estar. Então eu e o Tiago decidimos rumar para sul, já em direção ao Burkina Faso, porque podíamos estar numa zona demasiado complicada.

O Burkina Faso é um país onde muito poucos portugueses terão estado. Pode descrever o que viu?
No Burkina Faso tivemos um episódio engraçado – bom, quando estávamos lá não teve muita piada... Dois dias antes de entrarmos no país tinha havido um atentado na embaixada francesa que matou cerca de 40 pessoas. Mas estávamos descontraídos porque nem sequer sabíamos dessa situação. Já a chegar à capital [Uagadugu], era de noite e parámos perto de uma estação de combustível. Perguntámos ao segurança da estação se podíamos pernoitar ali, montámos a tenda, ele disse que até nos guardava o carro. Nem nos tínhamos apercebido que do lado oposto havia uma esquadra da polícia. Quando nos preparávamos para dormir, a polícia vem ter connosco. Fomos interrogados durante três horas, porque eles pensaram ou que pudéssemos ter alguma ligação ao atentado ou que estivéssemos ali com algumas intenções. A comunicação foi difícil porque o francês...

O interrogatório foi suave ou mais duro?
Foi suave, só que durou muito tempo, porque eles não conseguem entender o que é um turista. E quando lhes dissemos que estávamos a viajar de carro eles perguntaram: ‘Não há aviões em Portugal? Se vão para Angola, iam de avião, porque é que vão de carro? Se estão de carro é porque andam a vender alguma coisa’. ‘Não estamos a vender, estamos só a viajar’. ‘A viajar porquê?’. Para eles não faz sentido. Se estamos a viajar é porque estamos a fazer comércio ou temos alguma intenção. E era essa intenção que ele procurava. Ao fim de duas horas de interrogatório acho que lá conseguiu entender, mas perguntou: ‘E posso ver o vosso carro?’. ‘Podes, claro’. Abriu o carro e viu caixas de t-shirts e camisolas e bonés que eram de patrocínios...

E ficou a achar que afinal andavam mesmo a vender...
‘Afinal vocês andam a vender roupa’. Passámos mais uma hora a tentar explicar que aquela roupa era para dar a crianças.

Chegaram a sentir-se intimidados?
Um pouco. E tiraram tudo o que estava dentro do carro, todas as malas, toda a roupa, revistaram-nos o carro todo. Depois perceberam que não tínhamos nada a esconder e deixaram-nos ir tranquilamente. Mas tivemos de arrumar o carro todo...

O carro numa viagem destas é um bocadinho a vossa casa, não é?
Foi a nossa casa durante cinco meses.

E em que estado ficou?
Quando chegámos à Tanzânia, já com três meses e tal de viagem, teve de ser soldado, porque o chassis partiu todo ao atravessar Moçambique. A Nacional 1 de Moçambique foi a pior estrada que fizemos em toda a África. Foi alcatroada mas está esburacada e quando passamos nos buracos a roda bate no pouco alcatrão que tem. Terrível. Essa estrada deu-nos cabo do carro. O chassis partiu todo do lado direito e o carro estava inclinado. Quando chegámos à Tanzânia teve de ser soldado. Foi a avaria mais grave.

O momento mais complicado foi esse do interrogatório no Burkina Faso?
Não. O momento mais complicado foi quando fomos assaltados em Benguela, já no sul de Angola. O vidro do lado do condutor avariou e ficou em baixo. Parámos numa casa de peças para tentar reparar. Pelos vistos já tínhamos alguém atento ao nosso carro. Quando entrámos nessa casa para comprar as peças de que precisávamos, o gatuno roubou o que conseguiu apanhar pela janela. Levou o passaporte do Tiago, os cartões de crédito, algum dinheiro – penso que foi 500 euros – e a câmara fotográfica. Foi uma situação delicada porque estivemos uma semana parados à espera que aparecesse alguma coisa.

E apareceu?
O passaporte apareceu no dia seguinte, o resto já não. Em Luanda, que supostamente é o sítio mais perigoso, nunca tivemos problemas. Tivemos até um episódio engraçado. Fomos ao mecânico e no regresso a casa do Vítor – o nosso amigo português – fomos obrigados a desviar de umas obras e parámos num cruzamento onde estavam a jogar streetbasket. Eu disse ao Tiago: ‘Vamos parar aqui’, porque fui jogador de basquete e queria ver. Saí do carro e meti-me com alguns jogadores a brincar. Estava de chinelos e de t-shirt e eles perguntaram-me: ‘Tens sapatilhas?’. ‘Tenho’. ‘Então calça as sapatilhas que vais entrar’. Foi uma festa porque a malta pôs a música a topo, cerveja, e começaram a gritar: ‘O branco sabe jogar, o branco sabe jogar!’. Senti-me uma estrela da NBA.

Porque jogava melhor do que eles?
Não. Eles tinham lá um tipo que joga na seleção angolana. Jogavam bem, mas foi uma situação gira porque meti três ou quatro cestos, e eles a gritar: ‘O branco sabe jogar!’. Quando chegámos a casa do Vítor, ele pergunta: ‘Onde é que vocês andaram?’. E explicámos: ‘Quando vínhamos do mecânico desviámos numas obras, parámos num bairro para jogar basquete e atrasámo-nos’. ‘Mas qual bairro?’. Como não sabia dizer, identifiquei no mapa. ‘Vocês estão doidos?! Estiveram no pior bairro de Luanda. Ninguém vai ali’. ‘Olha, eu fui lá e fui feliz’.

Durante a viagem houve algum momento em que pensasse ‘O que é que estou aqui a fazer? Devia era estar em casa’?
Nunca. Fosse com portugueses, fosse com locais, sempre me senti em casa em África. Quando paramos num local remoto, a partir do momento em que paramos fazemos parte da família e dão-nos estadia, dão-nos comida e ganhas um amigo para a vida inteira.

Vamos então falar de comida. Qual foi a melhor refeição ao longo desses meses?
Talvez na Namíbia, em que comi umas lulas gigantes como nunca tinha comido na minha vida. As nossas lulas são pequeninas e duras, aquelas foram as melhores que alguma vez comi. Também comi muito marisco na Angola e Moçambique, nas famosas ‘tainadas’ com portugueses. De resto, como a maioria dos países por onde passámos são muçulmanos, de carne só comem frango, não há muitas opções. Quando fazíamos campismo, de manhã tentava comer na rua uns ovos mexidos, para me manter alimentado, um bocadinho de pão, bebia um café – o café é fraco, parece chá, mas dá para matar as saudades. As refeições eram à base de frango, nalguns sítios carne de cabra, e pouco mais.

E a pior refeição, qual foi?
A pior talvez tenha sido no Mali. A gastronomia deles não é definitivamente a melhor.

Em que consistiu essa refeição?
Eles comem uma pasta de milho – em Angola chamam-lhe funge. Para mim foi intragável, não consegui comer.

E não se sentiu obrigado a comer para não ofender os seus anfitriões?
Eles não têm problemas com isso. Se não gostas, podes dizer. Como tinha quatro ou cinco miúdos à minha volta, o que eu fiz foi pegar nessa comida e dar-lhes, porque percebi que estavam com fome. Foi um dois em um, ajudei os miúdos e não tive de comer. Nós achamos que é uma falta de respeito dizer ‘não gosto’ ou ‘não está bom’ mas na África não há esses problemas.

E comeu outras coisas mais invulgares, mais ‘exóticas’?
Sim, comi comidas diferentes. Na Etiópia comi o injera, um crepe gigante com vários legumes, e alguns têm carne – mas tem sempre picantes. Geralmente na rua comemos espetadas de carne, em muitos sítios havia batatas fritas. Não podíamos era pensar muito, porque se fôssemos ver a forma como fritavam as batatas não as comíamos.

Como era que as fritavam?
As batatas são fritas em óleo, só que aquele óleo não é mudado há três meses. [risos] Quando passámos de Moçambique para o Malawi, pedi batatas fritas e uma espetada de carne e o rapaz deu-me aquilo num saco de plástico que vinha a pingar óleo. E eu disse ao Tiago: ‘Vou tirar as batatas do saco e não vou pensar, vou só comer’.

E estavam boas?
Estavam boas! Ainda estou vivo. [risos]

Qual foi o momento mais gratificante da viagem?
Foi na Angola, quando visitámos várias escolas e especialmente o orfanato. E também em Moçambique, na Casa do Gaiato. Fomos recebidos na igreja pelos miúdos a cantar, de uma forma estrondosa, supercarinhosa. Distribuímos alguns brindes e depois fomos almoçar na cantina. Eles têm uma educação e um regime fantástico. Na cantina são os miúdos que põem a mesa, levantam a mesa, lavam a loiça. Só não cozinham, de resto fazem tudo. No final do almoço eles levantam-se e rezam o Pai Nosso. Os miúdos passam por estágios – de agricultura, mecânica, carpintaria – para mais à frente escolherem a área que querem seguir. E a instituição é totalmente autónoma, vivem da agricultura que produzem. Achei aquilo fabuloso.

Além desse contacto humano também viram paisagens fora de série?
Sim. Na Namíbia, por exemplo, de repente pensávamos que estávamos em Marte. É difícil explicar em palavras e mesmo as fotografias... parece que estamos noutro planeta. A Namíbia é onde tem a natureza mais estranha, mas estivemos noutros sítios fantásticos na Etiópia e mesmo em Moçambique e Angola. Angola é um destino que eu acho fabuloso. Infelizmente os portugueses falam muito mal, talvez por haver sítios um pouco mais perigosos. Mas tem um potencial turístico gigante: desde cascatas fabulosas a praias paradisíacas.

O vosso objetivo era também desfrutar de tudo isso ou sobretudo andar para a frente para cumprir o itinerário?
Andávamos ao nosso ritmo. Quando queríamos parar, parávamos.

E houve algum país de que gostasse menos?
A Etiópia é um país espetacular, mas eles são muito rudes. Tentávamos falar inglês e eles diziam-nos: ‘Tens que arranjar um tradutor’. E quando fazíamos perguntas não nos respondiam. Eram muito ríspidos.

E arranjaram o tradutor?
Não. Não podíamos andar com um tradutor atrás de nós. Achei um povo muito duro. Mas há alguns países onde eu não aconselho os turistas a irem porque não vão encontrar nada que lhes faça falta. Os Camarões, por exemplo, o Congo, o Togo têm pouco interesse. As pessoas são fantásticas em todo o lado, mas a nível de natureza não há grande coisa para ver.

A nível de natureza qual é o país mais exuberante?
A Tanzânia e a Namíbia. O Quénia também é bonito, mas a Tanzânia é fabulosa. Para ver vida selvagem é na Tanzânia.

E miséria? Vê-se muita?
A essa pergunta costumo responder que só vi pessoas felizes. De 26 países que atravessei, nunca vi ninguém à fome e à sede. Vi até uma coisa curiosa: em aldeias muito remotas do interior havia poços manuais com a placa da Unicef. Quase todas as aldeias tinham esse poço comunitário, portanto água não falta. Aquela ideia que nos é vendida de África que há muita gente a morrer à fome e à sede é mentira. Por um lado entendo, porque as organizações de saúde, etc., precisam de chamar a atenção para obter financiamento. Entendo isso tudo, mas acabam por distorcer a realidade porque a grande maioria de África já não é assim. Nas cidades já existe internet 4G, já existe Uber, McDonald’s, existe tudo e mais alguma coisa. Conseguia viver facilmente em qualquer cidade africana.

E não se deparou com coisas que consideramos sinónimo de atraso, coisas já não vemos na Europa?
Há um aspeto em que eles são um bocado sujos: não têm o hábito de ir a uma casa de banho ou de procurar um local afastado. Estão no passeio, viram-se e fazem chichi. Apesar de não gostar, acabei por me habituar. E só o cheiro de algumas cidades causa confusão, porque em muitos sítios não têm caixotes do lixo, vai tudo para o chão.

Uma das coisas que também dizem que é diferente é conceito do tempo. A hora de partida de um autocarro em vez de ser ao meio dia é quando o autocarro estiver cheio... Isso pode ser um problema?
Pode ser para nós, que temos sempre planos. Em África podes fazer o plano, mas dás sempre dois dias para imprevistos. É assim que funciona. Porque nós gostamos de ter sempre tudo muito planeado, muito bem definido, muito bem estruturado, mas quando tenho de apanhar um autocarro já sei que ele só vai sair quando estiver cheio. Já me habituei a esse sistema. Eles não têm pressa, porque se não fizerem hoje fazem amanhã. Nós europeus estamos demasiado acelerados, queremos tudo para ontem, queremos tudo rápido, e quem não é assim é considerado atrasadinho e é encostado. Os africanos só pensam no dia de hoje. Até porque muitos não pagam prestações da casa, porque fazem paredes de barro e um telhado de chapa de zinco; não têm carro porque andam de transportes públicos; não têm contas para pagar ao fim do mês. Se não gostam do emprego despedem-se, vão para casa e amanhã logo veem... Não estão bem nem mal, mas vivem muito mais relaxados e muito mais felizes que nós.

Há quem pergunte: ‘Afinal o que é que África tem de tão especial? São as pessoas? É a natureza? É a cor da terra?’. O que responderia a isso?
É um conjunto de fatores...

O que o leva a querer sempre regressar a África?
É a energia contagiante das pessoas, o sorriso dos miúdos, o cheiro da terra, o clima. A energia é fantástica. Nota-se uma diferença tremenda, até nos filhos de portugueses que nasceram na Angola. Têm um espírito totalmente diferente dos europeus. Principalmente porque aqui colocamos muitos rótulos às pessoas, quando conhecemos alguém colocamos logo um rótulo. E eles não fazem essa distinção. É só uma pessoa, não é por ser diretor de uma empresa ou empregado de balcão que vai ser menos ou mais. Gosto muito disso.

Tudo o que vê e que vive lá compensa o desconforto que imagino que estas viagens também impliquem?
O desconforto para mim é mínimo. O desconforto que podemos eventualmente ter é nas deslocações, porque a maioria dos transportes em África são carros particulares com capacidade para sete pessoas e eles metem lá 12, 15, o que couber. Às vezes vamos um bocado apertados, com 36 graus, estamos a suar, a precisar de água e eles não param. Mas tirando isso... Acho que é espetacular, porque paramos numa rua e se não encontrarmos o que precisamos basta chamar alguém: ‘Eu precisava de comprar um sumo de tangerina’. Eles vão procurar e trazem-nos.

Com a experiência, o viajante também desenvolve essa capacidade de comunicar?
Acho que sim. Até porque nós europeus somos muito fechados, não temos o hábito de parar na rua e perguntar ou pedir. Os europeus, se querem um café, procuram por um letreiro ou pela informação cá fora e na África não existe isso. Na África toda a gente fala, toda a gente comunica. Perguntamos: ‘Onde fica o café?’. E as pessoas vão contigo e dizem-te onde é o café. Se não perguntares não vais encontrar nada. Acho que isso é o interessante, porque temos de nos envolver com as pessoas.