Sociedade

Morreu doente que interrompeu Parlamento para pedir que não o deixassem morrer de hepatite C

José Carlos Saldanha estava internado com uma septicemia no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Um dos rostos da luta pelo acesso à medicação para a hepatite C, José Carlos Saldanha, morreu esta sexta-feira aos 55 anos, vítima de uma infeção generalizada.

Fonte oficial do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte confirmou a notícia, à agência Lusa, e adiantou que a morte se deveu a uma septicemia, que não está ligada à hepatite C, da qual José Carlos Saldanha se curou no final de 2015.

José Carlos Saldanha ficou conhecido publicamente em 2015, quando interrompeu uma sessão na comissão parlamentar de Saúde, pedindo ao então ministro da Saúde Paulo Macedo que não o deixasse morrer, exigindo o acesso ao tratamento inovador para a hepatite C.

Dois dias após a intervenção de José Carlos Saldanha, Paulo Macedo anunciou que um acordo do Estado para fornecimento de dois medicamentos inovadores para a hepatite C, que previa o pagamento por cada doente tratado.

Em causa estava a questão do preço do medicamento, ponto de discussão entre o Executivo e o laboratório que comercializava o fármaco

Pouco depois da sua intervenção, José Carlos Saldanha recebeu a notícia de que iria começar tratamento e foi dado como estando curado da hepatite C no final de 2015.