Sociedade

Produções milionárias abalam RTP

A RTP está no meio de um autêntico vendaval, com a Comissão de Trabalhadores a querer saber que contratos foram celebrados com as Produções Fictícias, qual a situação profissional de Maria Flor Pedroso, além de muitas outras questões que continuam sem resposta da administração.

Muita tinta correu com a gerência de Nuno Artur Silva na RTP, quando acumulava no seu portfólio profissional as Produções Fictícias, já que, acusavam-no, podia encomendar trabalhos a si próprio para o canal público. Nuno Artur Silva sempre se recusou a vender a sua participação nas Produções Fictícias enquanto se manteve na RTP, mas, quando foi convidado para o cargo de secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, aceitou fazê-lo.   Só que Nuno Artur Silva pode não ter ficado afastado da produtora de conteúdos durante muito tempo, pois o secretário de Estado deu dois anos aos compradores para pagarem as quotas cedidas. Entre os compradores encontram-se o sobrinho e a mulher deste. Caso os compradores não paguem o combinado, o negócio pode ser revertido. 

E são os negócios entre as Produções Fictícias e o canal público que continuam a agitar as águas. O SOL sabe que as Produções Fictícias apresentaram dois projetos à atual direção do segundo canal, Teresa Paixão: Fascínio das Histórias, que ficou em 20 mil euros e já foi emitido; e Encarregados de Educação,  no valor de 390 mil euros, mais acesso aos arquivos da RTP – esta série humorística terá 13 episódios de 15 minutos cada e está ainda em avaliação.

Leia o artigo na íntegra da edição impressa do jornal SOL. Disponível nas bancas.