Internacional

Naomi Seibt: A jovem alemã que se define como "Anti-Greta"

Greta encontrou uma rival, que já a adjetivou de “mal-educada e imatura”.

Greta Thunberg tornou-se conhecida um pouco por todo o mundo graças à sua luta para salvar o meio ambiente e combater as alterações climáticas. No entanto, a jovem sueca parece ter agora encontrado uma rival à altura: Naomi Seibt, de 19 anos, que defende que "as alterações climáticas não vão destruir” o planeta.

A alemã chamou a atenção esta sexta-feira depois de participar numa reunião anual da Conferência de Ação e Política Conservadora (CPAC), um evento que reuniu apoiantes de extrema-direita de vários países e onde Naomi Seibt foi convidada a participar por ser considerada “anti-Greta”. Na mesma conferência estiveram, por exemplo, Donald Tump e Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro.

Mas a jovem já expressava as suas ideologias no canal de YouTube que criou em maio do ano passado e que tem milhares de subscritores. Num dos vídeos dizia que Greta Thunberg era “mal-educada e imatura” e chegou mesmo a imitar alguns dos gestos da sueca.

Este fim de semana, no evento que decorreu em Washington D.C, nos Estados Unidos,  Naomi disse no seu discurso que é uma “realista climática”.

“Fui doutrinada na escola para ser uma alarmista climática, mas fui inspirada por pessoas que encontrei online e cientistas a pensar mais. A propaganda sobre alteração climática é associada a políticas que nos querem impor”, disse.

“O objetivo [dos cientistas] é envergonhar a humanidade. O alarmismo das alterações climáticas é, em sua essência, uma ideologia desprezível, anti-humana”, defendeu.

Naomi tornou-se o rosto de empresas e organizações financiadas por empresas de combustíveis fósseis e carvão, e já trabalha para o Instituto Heartland, de Chicago.